Neste sábado, 04, o Papa Francisco deu um passo importante na história da igreja católica mundial. Depois da instituição religiosa passar por vários escândalos envolvendo supostos casos de pedofilia (em muitos países também considerados estupros, pois envolvem menores de idade, vistos como vulneráveis), o pontífice assinou um decreto que determina a destituição de bispos que finjam que o #Crime envolvendo crianças não está ocorrendo na região em que trabalham.

A punição é vista como "fatal" por religiosos, já que o cargo de bispo é um dos mais altos da Igreja católica. É um dos primeiros passos, por exemplo, para um homem poder um dia, quem sabe, torna-se Papa.

Publicidade
Publicidade

Pode perder o cargo de bispo todos os párocos que tenham sido negligentes com crimes envolvendo padres, especialmente o de pedofilia. Antes da destituição, no entanto, o crime, é claro, precisa ser comprovado e a negligência também.

Apesar da igreja ainda envolver uma certa burocracia para tratar do assunto, a decisão de Francisco é considerada um enorme avanço na história do cristianismo. O Papa ainda explicou o que seria a negligência dos bispos. Segundo Vossa Santidade, não são apenas casos de omissão que precisam ser vistos como erros, mas também administrações e investigações problemáticas que envolvam abusos de crianças. 

O Vaticano tem uma espécie de constituição, conhecida como "direito canônico". Toda vez que ela é atualizada, os representantes da igreja católica de todo o mundo precisam obedecer às mudanças, sob pena de ser destituído da organização.

Publicidade

Não é a primeira vez que Francisco pede punições graves para envolvidos em abusos sexuais. Ele quer tolerância zero ao que chama de "tragédia" da humanidade. Além da punição "canônica", Francisco não é contra ao direito tradicional. Ou seja, padres podem ser presos pela prática de pedofilia, já que é algo ilegal e visto como repugnante pela maioria das sociedades.

Desde que assumiu o "papado", Francisco já mudou algumas questões relativas a esse assunto. Em 2014, por exemplo, ele criou uma Comissão no Vaticano para criar novas soluções efetivas para barrar a pedofilia na igreja.  #Papa Francisco