A polícia informou durante a entrevista coletiva que pelo menos 20 pessoas morreram durante o tiroteio em uma boate gay em Orlando, nos Estados Unidos e muitos outros frequentadores do local estão feridos. E o atirador foi morto quando os policiais invadiram o local, a casa noturna "Pulse". Mais de 40 pessoas tiveram que ser levadas imediatamente para os hospitais mais próximos para serem atendidas, sendo que algumas se encontravam em estado grave.

Até o momento a polícia vem classificando o incidente como um "#Ataque Terrorista", pois uma equipe do esquadrão antibombas foi enviada até o local e um explosivo foi localizado e detonado lá mesmo.

Publicidade
Publicidade

Moradores próximos à boate gay informaram que durante a madrugada ouviram um forte estrondo, como se fosse uma explosão e a polícia confirmou a versão, mas garantiu que foram os agentes que detonaram a bomba encontrada.

As investigações agora tentarão descobrir se este foi um ato interno ou se há participação de terroristas fora dos Estados Unidos. O atirador além de portar uma arma, também carregava um objeto considerado pelos agentes como "aparelho suspeito" e por isto a explosão controlada se fez necessária, para evitar que qualquer bomba pudesse surpreender as pessoas que encontravam-se no local.

O atirador chegou a manter alguns reféns quando a polícia chegou à boate, mas acabou sendo morto, entretanto ainda não foram divulgadas as informações detalhando como foi a ação dos agentes policiais para chegarem até o terrorista e libertarem os reféns.

Publicidade

A boate "Pulse" postou uma mensagem em sua conta no Facebook, às 3 horas da manhã pelo horário de Brasília, pedindo a todos que saíssem correndo do estabelecimento.

Testemunhas afirmam que um homem abriu fogo contra os frequentadores usando uma arma automática. Um dos frequentadores revelou à Sky News que o atirador começou a disparar contra as pessoas e todos se jogaram no chão sem saberem o que estava acontecendo ao certo.

Os americanos já estavam chocados com o assassinato da ex-participante do "The Voice", Christina Grimmie, que foi morta por um homem que se dizia seu fã e agora mais um caso chocante que deixa os Estados Unidos em alerta máximo. #Terrorismo #Casos de polícia