Omar Mateen tinha 29 anos de idade, e trabalhava para uma empresa de segurança privada. Em uma coletiva de imprensa, a sua mulher, que é do Uzbequistão, o descreveu como uma pessoa discreta, violenta, homofóbica e instável mentalmente.

De acordo com ela, alguns meses depois de se casarem ela percebeu a instabilidade mental de Omar. Relatou também que ele abusava fisicamente dela, além disso, a proibiu de falar com a família.

Omar era um nova-iorquino, os seus pais são afegãos, ele já havia sido investigado por envolvimento com um terrorista suicida norte-americano que atacou a Síria em 2014. Além disso, havia queixas sobre ele por declarações racistas.

Publicidade
Publicidade

Apesar de seu envolvimento com o primeiro terrorista suicida estadunidense, o FBI o havia investigado e descartou a hipótese do nova-iorquino ter relações com grupos radicais.

Um imã da mesquita a qual Mateen frequentava disse que ele era discreto, sempre chegava por último e era o primeiro a sair, não conversava com ninguém e limitava-se a aperto de mão, sem troca de palavras. Às vezes levava o filho para a mesquita, e enquanto rezava, o filho ficava brincando.

Samuel King, artista drag-queen e homossexual assumido, descarta que ele fosse homofóbico, pois, segundo o artista, o atirador assistiu a vários shows feitos por ele.

Contexto

O crime em massa aconteceu às 3h (horário de Brasília). De acordo com o FBI, o atirador que matou 50 pessoas em uma boate GLS não tinha relações com nenhum grupo terrorista, mas antes do ataque Omar havia telefonado para a polícia e jurado fidelidade ao ISIS.

Publicidade

Depois do acontecido, o grupo terrorista ISIS assumiu o ataque dizendo que o assassino era “um soldado do #Estado Islâmico”.

De acordo com a imprensa internacional, o então terrorista usava um rifle AR-15, considerada como uma arma de guerra, porém pode ser facilmente comprada por um valor que varia entre U$600 e 2000 em alguns estados norte-americanos.

A potência de disparos da arma é de 30 tiros por minuto. De acordo com a CNN, nos últimos cinco anos, foram vendidos cerca de 1,5 milhões de exemplares da arma. #Terrorismo #EUA