Praticamente todas as pessoas que nasceram nos anos 80 lembram do filme "O Sobrevivente" (1987), protagonizado por Arnold Schwarzenegger, que retrata a economia estadunidense em colapso, no ano de 2017. Naquele futuro caótico, onde a censura reinava soberana, o governo mantinha a população alienada ao exibir programas de TV onde criminosos condenados lutavam até a morte para se manterem vivos. Se eles sobrevivessem a todas as etapas do ‘reality show’ estavam livres. Lógico que ninguém saia vivo do programa, com exceção do personagem de Schwarzenegger.  

Embora o filme pareça apenas uma história de ficção, sem nenhum tipo de envolvimento com a realidade, o professor de turismo da Universidade Central de Lancashire (Inglaterra), Daniel Wright, acredita que em 100 anos os seres humanos serão caçados como animais em programas exibidos na televisão, semelhante à temática da película descrita no parágrafo acima.

Publicidade
Publicidade

Conforme noticiado pela imprensa estrangeira, nesta terça-feira (21), o acadêmico avalia que em 2100 esse tipo de atividade será explorada pelos milionários. Para ele, nesse breve futuro, os humanos viverão numa sociedade superpopulosa, devastada pela economia e por desastres naturais. Nesse contexto, haverá uma enorme diferença entre os ricos e os pobres.

Porém, Wright acrescenta que usar humanos como meio de divertir os mais ‘abastados’ não é novidade. Ele recorda o fato das execuções públicas atraírem grandes multidões, durante os enforcamentos, ou nos ‘crematórios’ ao ar livre da Idade Média.

Além das sanguinárias batalhas televisionadas, campos de concentração serão abertos ao público pagante, além da existência de museus dedicados a personagens sombrios, como Jakc, o Estripador, ou Drácula, avalia o professor.

Publicidade

Ele enfatiza que a morte como espetáculo não é um fenômeno recente na sociedade. “Jogos de gladiadores romanos e execuções públicas são exemplos bem documentados ao longo da história”, observa.

Daniel Wright conjectura sobre o início desse bizarro tipo de entretenimento começar em 2100, mas que irá se tornar um evento turístico, sem nenhum tipo de reprovação popular em meados de 2200. “É claro que o mundo terá que passar por situações horríveis para chegar ao nível em que as pessoas ricas cacem indivíduos pobres como prática esportiva”, pondera.

Catástrofes naturais darão início à matança

Segundo a interpretação do estudioso, desastres ecológicos diminuirão drasticamente os alimentos no planeta superpopuloso. Como forma de reduzir a população global com objeto de alcançar o equilíbrio, os super-ricos caçarão os pobres, pelo ‘bem da humanidade’. Essa prática acabará se tornando uma espécie de esporte. “Devido à pressão sobre os recursos para a sobrevivência humana, a prática se tornará, gradualmente, mais reconhecível e aceitável por parte da população em geral”, conclui.

Publicidade

Apesar da história humana ser moldada pela violência, não podemos perder a esperança de um mundo melhor. Se isso acontecer, já estamos mortos. #Mídia #Curiosidades #Internet