Na madrugada deste domingo (12) um homem começou a atirar dentro de uma boate gay nos Estados Unidos, na Flórida, e várias pessoas ficaram feridas. A polícia de Orlando não soube informar ainda com precisão o número exato de frequentadores do local que chegaram a ser atingidos, explicando por enquanto que são "múltiplos feridos". Um dos policiais informou à agência AFP que pode confirmar que "há feridos", mas não sabia dizer se alguém foi morto, pois o local estava sendo evacuado e os agentes terão que fazer uma varredura por todo o edifício para, aí sim, saber o tamanho do massacre.

Mas o problema parece ser bem mais grave do que vem sendo previsto, tanto é que um grande número de veículos de emergência já foram enviados para o local e também o esquadrão antibombas, juntamente com uma equipe especializada em materiais perigosos.

Publicidade
Publicidade

Todos foram acionados e já começaram os trabalhos. A preocupação da polícia agora é saber se há algum novo risco de morte, pois não se descarta a hipótese de um atentado até que tudo fique devidamente esclarecido.

Através do perfil no Twitter, a polícia local está pedindo às pessoas curiosas que fiquem em casa e nem pensem em ir para o local, pois o risco ainda é grande, e até a imprensa vem sendo aconselhada a fazer a cobertura do caso mantendo uma certa distância, para evitar qualquer tipo de surpresa desagradável.

A "Pulse" publicou em seu perfil no Facebook às 3 horas, pelo horário de Brasília, uma mensagem avisando a todos para saírem do local correndo. Sem entender do que se tratava, muitos usuários da rede social começaram a deixar comentários querendo saber maiores informações e muitos informaram que estavam lá durante o tiroteio e relatam as cenas terríveis que vivenciaram.

Publicidade

Além dos muitos tiros disparados, a polícia informou também que houve um forte estrondo na boate gay, mas teria sido uma explosão controlada realizada pelos próprios agentes que estavam detonando um explosivo encontrado. Ainda de acordo com a polícia, o atirador foi morto.

O incidente chocou o país, que há apenas dois dias atrás recebeu a notícia do assassinato de uma ex-participante do "The Voice", a cantora Christina Grimmie. #Crime #Violência #Casos de polícia