David Cameron renunciou como primeiro-ministro depois que o Reino Unido votou para abandonar a #União Europeia. Após a Grã-Bretanha votar a favor do Brexit, ele disse que a "vontade do povo britânico deve ser respeitada". Ele disse que deverá haver um novo líder em seu lugar no início da conferência do Partido Conservador em outubro. David Cameron acrescentou: "Eu amo este país e sinto-me honrado por ter servido''. 

Sua declaração foi feita após uma noite extraordinária na qual os britânicos votaram para deixar a União Europeia. Com todos os resultados declarados, eleitores apoiaram o Brexit por uma margem de 52% contra 48%, de acordo com o jornal The Guardian.

Publicidade
Publicidade

O resultado também é suscetível de desencadear um segundo referendo sobre a independência da Escócia que, ao contrário da Inglaterra e País de Gales, votou para permanecer na UE.

Mercados reagiram com alarde à votação com a libra mergulhando em relação ao dólar para níveis não vistos em mais de trinta anos. Um analista da cidade descreveu a votação como "um dos maiores choques de todos os tempos do mercado". O ministro das Finanças da Alemanha, Wolfgang Schäuble, disse que era um "dia triste para a Europa". Mas Gisela Stuart, presidente do Partido Trabalhista, pediu calma. "No longo prazo, tanto na Europa quanto no Reino Unido irão emergir mais forte como resultado", disse Gisela.

O resultado oficial foi confirmado logo às 4:40 da manhã (horário local) após uma onda de apoio para sair da UE, contradizendo previsões feitas apenas algumas horas antes do fechamento das urnas.

Publicidade

A Inglaterra Central uniu forças com centros industriais do país no Nordeste e Noroeste para rejeitar de forma abrangente avisos sobre um armageddon econômico e votar para sair. O suporte para permanecer foi mais forte em Londres e na Escócia, mas cidades como Sheffield e Birmingham juntas com Canterbury, Torbay e Peterborough votaram a favor da Brexit.

O resultado agora irá desencadear um processo formal de retirada britânica da União Europeia. Uma reunião com líderes europeus está programada para a próxima semana, em Bruxelas.