A cantora Lady Gaga se uniu, na segunda-feira (13), à milhares de pessoas que faziam uma homenagem às vítimas do atentado terrorista de Orlando. A vigília foi realizada em Los Angeles e a participação da cantora não estava programada. Gaga subiu ao palco e, com a voz embargada, fez um belo discurso de apoio à comunidade gay de todo o mundo. Assista ao vídeo no final desta matéria.

"Estamos de luto pela morte trágica dessas pessoas inocentes e belas. Vamos todos formar uma aliança de amor à essas pessoas e às suas famílias neste momento de sofrimento tão profundo. Eles eram filhos e filhas, pais e mães. Mas nesta noite não permitirei que minha raiva e indignação se sobreponham à nossa necessidade de honrar àqueles que estão de luto pelos entes mortos.

Publicidade
Publicidade

Entes da comunidade LGBT", disse enquanto tentava segurar as lágrimas.

"Espero que vocês saibam que eu e muitas outras pessoas somos suas aliadas. Não só eu, todo mundo aqui (no palco). Nós representamos a compaixão e a lealdade de milhões de pessoas de todo o mundo que acreditam em vocês. Vocês não estão sozinhos. Vocês não estão sozinhos", falou. "Espero que amanhã todos nós caminhemos de forma bem pensada e bem audível em direção a uma solução. Mas esta noite, agora mesmo, Orlando, estamos unidos com vocês. E estamos aqui para lembrar", finalizou. A multidão, carregando cartazes em preto e branco, em contraste com as cores do arco íris que representam a comunidade gay, aplaudiu emocionada. 

Em seguida Lady Gaga, quase se entregando ás lágrimas, leu os nomes dos 49 mortos no ataque terrorista à boate Pulse.

Publicidade

O ataque aconteceu na madrugada de sábado pra domingo, quando um atirador, simpático ao Estado Islâmico, invadiu o local com uma metralhadora e atirou na multidão. O assassino ainda fez algumas pessoas de refém, antes de ser morto pela polícia. 

Lady Gaga já tinha se manifestado antes pelas redes sociais. "Eu rezo pelas famílias das vítimas durante esta epidemia de tiroteios. Que sua dor encontre compaixão e apoio de todo o mundo", disse a cantora pop de 30 anos, muito popular entre gays, lésbicas, travestis e transexuais. 

Assista:

#Ataque Terrorista #Homofobia