O jornal 'O Globo' repercutiu nesta segunda-feira, 20, uma ação que já gera revolta em todo o planeta. Um vídeo realizado na República Dominicana e ostentado em sites como o Facebook e demais redes sociais, exibe o triste momento em que bombeiros salva-vidas e pessoas que visitavam uma praia decidem tirar um enorme tubarão raro da água salgada. Aparentemente, o animal não provocava nenhum mal para os banhistas e o mais correto seria que os bombeiros o levassem para o alto mar.

A espécie do tubarão retirado da água é o Prionace Glauca, popularmente conhecido como Tubarão Azul. O animal nadava na água rasa, quando foi surpreendido por um grupo de homens, que faziam questão de tirar fotos com ele.

Publicidade
Publicidade

Retirado da água, enquanto agonizava, o animal virou vítimas dos flashes de câmeras e celulares. Pessoas felizes por ajudarem a acabar com uma espécie que ajuda a aumentar o turismo da região. 

Eles chegam a fazer poses como se fossem uma enorme equipe, semelhante as dos times de futebol. Imagens do ato abarrotaram o Facebook dos envolvidos. Não demorou muito para que os amigos dos presentes na ação começassem a puxar a orelha deles e avisassem que o que havia ocorrido não era uma ação a se comemorar. "Se matassem o bicho porque ele oferecia perigo, eu até entenderia, mas não é o caso. Ali é uma região que as pessoas não entram muito na água justamente por ter tubarões", disse uma turista revoltada. 

Veja abaixo o vídeo que está gerando enorme raiva e revolta nas redes sociais:

Infelizmente, o Tubarão tratado como celebridade extraterrestre, não suportou o fato de ficar fora do mar.

Publicidade

De acordo com informações do site do 'Metro', o bicho faleceu. No início do ano, um caso envolvendo banhistas de uma praia na Argentina também causou revolta. Eles tiraram fotos com um doce golfinho. O animal estava morto. Os turistas alegam que não mataram o animal para tirar as selfies, mas que só fizeram isso depois de encontrarem o golfinho morto. A atitude fez muita gente questionar a fé na humanidade. 

  #Crime #Investigação Criminal