Hekla, com 1.491 metros de altura, é um dos vulcões mais ativos da Islândia, e, durante a Idade Média, foi apelidado pelos europeus de “Portal do Inferno”.

A última vez que o Hekla entrou em erupção foi em fevereiro do ano 2000, e tem permanecido “quieto” desde então. No entanto, medições recentes apontam que o vulcão está prestes a explodir novamente.

Pesquisadores afirmam que a pressão interna do Hekla disparou, recentemente, alcançando níveis maiores do que os registrados em suas duas últimas erupções, o que indica acúmulo de magma e gases quentes dentro da caldeira do vulcão. O que não se sabe, no entanto, é quanto tempo o Hekla resistirá a essa pressão crescente, antes de explodir mais uma vez.

Publicidade
Publicidade

Os perigos representados pelo Hekla

Páll Einarsson, professor da Universidade de Geofísica da Islândia, teme pelo estrago que o vulcão pode causar: “Hekla é um vulcão perigoso. Poderíamos estar olhando para uma grande catástrofe, quando a próxima erupção começar, se não tivermos cuidado”, declarou à agência de notícias Icelandic Visir. Einarsson tem estudado e acompanhado a atividade do Hekla de perto, e sugeriu que o vulcão islandês pode explodir a qualquer momento.

Em 2010, um vulcão vizinho ao Hekla, conhecido como Eyjafjallajökull, entrou em erupção lançando uma enorme nuvem de cinzas que se espalhou pela #Europa, chegando a interromper voos para o Reino Unido. Se o Hekla seguir o exemplo, há uma possibilidade real de que o país possa novamente ser afetado, assim como outras partes da Europa.

Publicidade

Existem outros temores que preocupam o professor Einarsson, além da erupção propriamente dita. Atualmente, o vulcão é um destino turístico muito popular, atraindo um grande número de visitantes durante o verão europeu. Além disso, diariamente, o Hekla é sobrevoado por cerca de 20 a 30 aviões cheios de passageiros.

As cinzas ejetadas durante uma erupção podem representar um grande perigo para os visitantes, assim como para as aeronaves. Por isso, o professor aconselhou que os turistas parem de visitar o vulcão. #Natureza