Desde a última sexta-feira (15), quando foi vítima de uma tentativa frustrada de golpe de estado, o governo turco tem emplacado uma forte repressão contra os supostos envolvidos no ato. De lá para cá, veio a tona a discussão sobre o retorno da pena de morte como punição jurídica e milhares de pessoas foram detidas.

A situação, segundo a Anistia Internacional, merece bastante atenção. A organização revela ter recebido inúmeras denúncias de abuso das autoridades contra algumas das pessoas detidas, como a proibição de ter acesso ao auxílio de um advogado.

Em comunicado, o diretor da entidade para #Europa e Ásia Central, John Dalhuisen, alertou para o nível de violência e suas possíveis consequências, como a morte ilegal e o atentado contra os direitos humanos.

Publicidade
Publicidade

Segundo ele, é necessário que aqueles que cometam esse tipo de crime sejam julgados. Além disso, Dalhuisen criticou a proposta de reintrodução da pena de morte no país, considerando que trazer a punição novamente ao sistema jurídico não seria justiça.  

Por fim, o diretor da Anistia lembrou que o contexto repressivo já ocorre na Turquia há algum tempo, sobretudo contra ativistas políticos, jornalistas e meios de comunicação. E concluiu pedindo que o governo haja com respeito aos direitos humanos e ao Estado de direito ‘’numa forma que os conspiradores do golpe não fizeram’’.