Tianna Mooney tinha apenas 18 meses quando morreu, estrangulada em uma corda de janela cega. A pequena Tianna foi mais uma vítima desse perigo que muitas pessoas têm em casa, mas sua morte está sendo tratada como "um caso não isolado". São vários os casos de crianças pequenas que estão perdendo suas vidas para esses cabos, onde se enrolam com muita facilidade. Por isso mesmo, o procurador de justiça que está analisando esse caso exige que alguma coisa seja feita, para que parem esses acidentes trágicos. 

Na Internet, são vários os tutoriais que explicam como podem as pessoas evitarem que suas crianças fiquem presas nessas cordas, o que poderá ajudar a quem as tiver em casa.

Publicidade
Publicidade

No entanto, os casos continuam se sucedendo e o desfecho é muitas vezes de tragédia. Como o de Tianna. A menina tinha sido colocada para dormir, em seu quarto, e apenas 45 minutos depois de a mãe a ter levado para sua caminha, a menina já não respondia mais. 

A mãe da criança, Stacey Clarke, encontrou ela com a corda da janela cega enrolada no pescoço e já inconsciente. Stacey pegou na menina e saiu correndo com ela em seus braços, gritando. O vizinho se apercebeu do tumulto e chamou ele mesmo a ambulância, tentando ajudar essa #Família. A pequena Tianna ainda seria levada para o hospital, onde acabou por ser declarada sua morte, poucas horas depois. 

Apesar de todos os esforços dos médicos do hospital de Newcastle, da Inglaterra, nada poderia ser feito e a menina acabou morrendo, vítima de estrangulamento. Durante o inquérito que vem correndo na justiça inglesa, foi dito que a menina adorava ficar olhando da janela.

Publicidade

Provavelmente, estaria brincando com as cordinhas quando acabou deixando se enrolar pelo pescoço. O problema é que com 18 meses, a bebê era muito pequena para que conseguisse se soltar, ou sequer pedir ajuda, uma vez que o efeito de estrangulamento rapidamente deixa a pessoa sem capacidade de reação. 

Ainda durante o inquérito, foi revelado que atualmente as cordas são mais seguras e isso já não acontece. O perigo estaria agora com as cordas antigas, que muitas pessoas ainda têm em suas janelas e que são verdadeiramente perigosas para as crianças pequenas. "As crianças desta idade não conseguem se libertar sozinhas, e as suas traqueias não estão totalmente desenvolvidas, o que significa que elas sufocam", concluiu o procurador David James, citado pelo jornal The Sun. O procurador está mesmo fazendo campanha para que todas essas cordas antigas sejam retiradas das casas, para que estas tragédias sejam evitadas.  #Europa #Saúde