Desde que assumiu como presidente interino, Michel Temer adotou o slogan ''não pense em #Crise, trabalhe''. Mas com o atual momento da economia brasileira, onde mais de 100 mil postos de trabalho foram  fechados, é difícil não pensar em crise e sua ideologia está sendo muito contestada por parte de seus opositores. Adotando uma ideologia semelhante a do presidente brasileiro, o primeiro ministro da Bielorrússia, Alyaksandr Lukashenko, sugeriu algo semelhante e polêmico. Ele pediu para que cada cidadão tirasse suas vestes e trabalhassem até suar. De acordo com ele, cada bielorrusso deveria dar o máximo de si para que juntos todos possam superar a grave crise financeira que assola o pais.

Publicidade
Publicidade

Há mais de 20 anos no poder,  Lukashenko é considerado o último ditador do continente europeu. Ele sugeriu que profissionais das áreas de saúde, educação, comunicações, construção civil, tecnologia, entre outras, deveriam por a mão na massa, nem que para isso tivessem que tirar suas roupas. Mas, segundo informações da imprensa europeia, tudo não passou de um grande mal entendido, em um ato falho durante seu discurso, uma vez que a expressão ''desenvolver a si mesmo'' na língua russa soa com o mesmo significado de despir-se. De acordo com a ideologia de Lukashenko, a Bielorrússia deve trabalhar unida para tirar o pais do ''fundo do poço''.

A população acabou levando muito a sério o discurso do primeiro ministro. E a fala de Lukashenko acabou viralizando pelas redes sociais tornando-se um dos temas mais comentados do Twiter e Facebook.

Publicidade

No decorrer da polêmica alguns trabalhadores, inclusive do setor público, fizeram selfies onde aparecem seminus no ambiente de trabalho.

Atualmente o pequeno país do leste europeu com pouco mais de 10 milhões de habitantes passa por uma grave #Crise econômica, onde o o rublo bielorrusso (moeda local) está cada vez mais desvalorizado. De acordo com as projeções do Fundo Monetário Internacional (FMI), o Produto Interno Bruto (PIB) do pais deverá terminar 2016 com retração de 2,7%. #Curiosidades