Na última sexta-feira (1), um café em Daca, foi o local escolhido por terroristas para um ataque. O fato ocorreu por volta das 21h, no horário local de Bangladesh, mais ou menos meio-dia no Brasil.

As forças armadas foram acionadas, pois os terroristas mantinham  reféns no local, e uma possível explosão originada por homens-bomba, estava para ocorrer.

O exército chegou ao local rapidamente. As tropas táticas montaram o cerco, mas a negociação não foi possível, e o comandante  da ação, Tuhin Mohammad Massud, invadiu o local.

A ofensiva foi feita com dez homens, e, segundo os mesmos, gritaram afirmando que local era grande, infelizmente, 20 dos vários reféns foram mortos, todos com marcas de cortes profundos na garganta, sinal de degolamento.

Publicidade
Publicidade

A guarnição foi de ataque aos assassinos e 6 terroristas foram mortos em ação, e um deles foi preso. Os extremistas foram identificados mais tarde como sendo do grupo jihadista EI, e o mesmo já confirmou o ataque.

Em nota, o porta-voz do exército afirmou que a operação ocorreu dentro do esperado e que tudo estava sob controle, mas lamenta as mortes dos 20 reféns.

Dentre os assassinados, estavam italianos e japoneses. A maioria eram estrangeiros. Os que conseguiram escapar do terror eram dois naturais do Sri Lanka, dez habitantes de Bengala, uma área dividida entre a Índia e Bangladesh, e um japonês.

Até o presente momento, Sheikh Hasina, primeira-ministra de Bangladesh, não deu nenhuma informação a respeito do terrorista preso na ação.

Em reportagem, o embaixador da Itália afirma que os terroristas não estavam para negociação e que a missão era suicida, e, por isso, apoia as medidas tomada pelo exército.

Publicidade

Sumon Reza, era gerente do café em Daca, e quando o estabelecimento foi tomado, haviam mais 40 pessoas no recinto. Os criminosos entraram atirando e estavam com muitas granadas de mão, e, por pouco, não conseguiram fugir, pois um dos comparsas atirou em sua direção, errando o alvo. O gerente saiu do café pelo telhado, juntamente com outras pessoas.

Nos últimos 3 anos, Bangladesh sofre com mortes infligidas pelos grupos extremistas. Em sua maioria são integrantes de pequenos comunidades religiosas, também entre os mortos estão os defendentes da laicidade e intelectuais. #Fanatismo religioso #Ataque Terrorista #Al Quaeda