A chuva de meteoros poderá ser vista por todo mundo já a partir dessa sexta-feira e deverá permanecer durante todo final de semana. O fenômeno é conhecido como "Delta Aquarideas" e todo ano entre os meses de julho e agosto é possível observar essa raridade que a natureza nos proporciona. Vale lembrar que o pico do fenômeno deve ocorrer nesse fim de semana. Dá para observar até 20 meteoros em uma hora, é o que afirmam os astrônomos.

De acordo com informações, a chuva de meteoritos Delta Aquarideas foi descoberta por um astrônomo amador em 1986 e está ligada com a passagem do cometa 96P/Machotz. Por sorte estamos na lua minguante, o que dará mais #Beleza e esplendor ao fenômeno, tornando-o mais fácil de se ver, devido a pouca claridade.

Publicidade
Publicidade

O Delta terá maior visibilidade depois da meia-noite e na madrugada entre 2 e 3 da manhã.

Quem estiver no Hemisfério Norte, basta olhar para o Sul, próximo da 'constelação Aquário'. Para quem estiver abaixo da linha do Equador, a exemplo dos brasileiros, que podem se considerar sortudos, terão chance de ver com mais clareza a espetacular chuva de meteoros. Nesse caso devem dirigir o olhar para o Norte.

Perseidas

Essa outra chuva de meteoros chamada 'Perseidas' tem ligação com a passagem do cometa Swift-Tuttle e poderá ser observado no próximo mês de agosto pelas pessoas que moram no Hemisfério Norte com bastante nitidez .Já para quem vive acima da Linha do Equador, é possível vê-las próximo da constelação de Perseu, entre o Norte e o Nordeste.

Astrônomos dizem que quando a terra cruza a órbita de um cometa, acontece então o fenômeno das chuvas de meteoros, pois quando se aproxima do sol e esquenta, então o corpo celeste solta pedaços e forma uma poeira.

Publicidade

Segundo especialistas ouvidos pela BBC, esses detritos que se desprendem do corpo celeste quando se chocam com a atmosfera por fora da terra a 150km/h, se evaporam como meteoritos ou estrela, afirmam eles.

É comum a gravidade da terra atrair pó e gelo, que se desprendem do cometa, afirma o site de ciência Sciencealert. #Curiosidades