Desde o dia em que começou a funcionar, em 10 de setembro de 2008, o Grande Colisor de Hádrons (Large Hadron Collider/ LHC), que abrange a fronteira franco-suíça, com 27 quilômetros de extensão, vem sendo alvo de diversas especulações.

Teóricos da conspiração acreditam que a máquina pode criar um buraco negro capaz de ‘engolir’ a Terra, ou até mesmo atrair grandes asteroides ao nosso planeta. Se isso não acontecer, eles avaliam a possibilidade do LHC desencadear terremotos com alto potencial destrutivo, ou quem sabe, até mesmo abrir um portal para outras dimensões.

Com o objetivo de dissipar as especulações a respeito do aparelho - usado para detectar novas partículas e outras características do universo -, membros da Organização Europeia de Pesquisa Nuclear (CERN) comentam sobre o hipotético potencial destrutivo do LHC.

Publicidade
Publicidade

Conforme reportado pelo jornal inglês "Express", edição de quinta-feira (28), cientistas admitem o potencial do colisor para criar buracos negros. No entanto, enfatizam que eles seriam minúsculos, incapazes de sugar a Terra.

Segundo um porta-voz do CERN, o Grande Colisor de Partículas - que voltou a funcionar em março desse ano -, é incapaz de reproduzir fenômenos cósmicos com a mesma intensidade gerada pela natureza. “Embora poderosa para um acelerador, a energia alcançada no LHC é modesta para os padrões da natureza”, destaca o funcionário.

Todavia, o porta-voz assume a possibilidade do LHC gerar esse tipo de evento cósmico em proporções diminutas. Ele explica que algumas teorias “sugerem a formação de pequenos buracos negros quantum”. Para ele, a detecção de um buraco negro seria espetacular.

Publicidade

“A observação de um evento como esse seria emocionante em termos da nossa compreensão do universo, e seria perfeitamente seguro", atesta.

Contudo, pesquisadores ressaltam a impossibilidade do instrumento em abrir portais dimensionais. Todavia, esclarecem que os eventos ocorridos no interior do LHC podem revelar a existência desse tipo de episódio no universo.

Eles conjecturam que através das colisões de partículas, poderão surgir elementos capazes de provar a presença de dimensões extras. O LHC já conseguiu comprovar a existência do Boson de Higgs – chamada de ‘partícula de Deus’ - em 14 de março de 2013.

Embora os entusiastas do apocalipse, responsáveis por proliferar falsas notícias sobre o #Fim do mundo a cada ano, anseiem por alguma catástrofe de grandes proporções, cientistas envolvidos com o colisor destacam que o aparelho tem como objetivo “compreender os mistérios da natureza para o benefício da humanidade”.

Ao que tudo indica, os fanáticos pelo fim do mundo terão que inventar outras histórias. #Entretenimento #Curiosidades