Jihad Ahmad Diyab é um terrorista da Síria que esteve preso em Guantánamo. Há algum tempo ele conseguiu ser acolhido no Uruguai como refugiado, mas há duas semanas o mesmo se encontra foragido.

A primeira companhia aérea a disparar um alerta sobre a possível vinda do terrorista para o Brasil foi Avianca. A Polícia Federal já está ciente e todas as companhias nacionais e internacionais que atuam no Brasil já emitiram alertas internos para possível reconhecimento de Jihad.

As autoridades do Uruguai descreveram o terrorista e refugiado como um homem com dificuldades para se locomover, necessitando do uso de muletas. Além disso, ele não fala português, o que pode facilitar o seu reconhecimento em aeroportos e serviços aéreos.

Publicidade
Publicidade

Possível #Terrorismo internacional vindo em direção ao Brasil

O terrorista estaria usando um passaporte falso que pode ter origem síria, marroquina ou jordaniana. O alerta de uma possível fuga para o Brasil coincide com a contagem regressiva para as Olimpíadas e com as recentes divulgações da ABIN e PF sobre brasileiros monitorados por possível envolvimento com o grupo terrorista conhecido como #Estado Islâmico.

Um catarinense é monitorado por tornozeleiras eletrônicas até o término dos Jogos Olímpicos. O mesmo esteve em território dominado pelo ISIS e retornou ao Brasil se dedicando ao treinamento armado de eventuais ataques durante toda a madrugada.

Um outro homem recrutado por um terrorista americano é o responsável por traduzir para o português a página do ISIS. Ele também divulga textos e vídeos convidando as pessoas a se alistarem no exército do jihad, oferecendo 'meios seguros' para ser contatado.

Publicidade

Além disso, outras trinta pessoas de identidade não revelada pelas autoridades estão sendo monitoradas diariamente. A Agência Brasileira de Inteligência e a divisão antiterror da Polícia Federal trabalham em conjunto com a inteligência de outros países, como os Estados Unidos, para identificar possíveis terroristas e tomar as devidas precauções ou ações repressivas, se necessário. #Rio2016