Considerado o país mais populoso da Terra, com mais de 1.370 bilhão de habitantes, e o terceiro em extensão territorial, atrás apenas da Rússia e do Canadá, a China surpreendeu o mundo quando pesquisadores anunciaram na sexta-feira, 22, a descoberta do mais profundo buraco subaquático do planeta, situado no mar do Sul da China.

Devido ao tamanho do sumidouro, com 300.89 metros de profundidade, ter altura equivalente aos arranha-céus – 305,71 metros em média -, os chineses já estão chamando a cratera de ‘buraco do dragão’, em referência ao mítico animal, símbolo daquela nação.

De acordo com as recentes informações do periódico europeu Daily Mail, o buraco aquático, antes considerado o mais profundo pela ciência, chamado de Buraco Azul Dean, tem quase cem metros a menos de profundidade em comparação à fenda chinesa.

Publicidade
Publicidade

Com 202 metros de fundura, ele, que está situado nas Bahamas, acaba de perder o título.

A cratera mais funda do planeta foi achada próxima das disputadas ilhas Paracel (um grupo de ilhas e recifes), chamada de Xisha pela China e de Hoang As pelos vietnamitas.  A fissura está localizada a 16,31 graus de latitude Norte e a 111,46 graus de longitude Leste sob a superfície do mar do Sul da China, segundo informações da Rádio China Internacional.

Com auxílio de diversos equipamentos, entre eles scanners de sonar, medidores atuais do fundo do mar, robôs submarinos e câmeras subaquáticas, especialistas mediram as dimensões do buraco durante a pesquisa de campo, entre agosto de 2015 e junho desse ano.

Além da profundidade, eles também observaram que a estrutura tem 130 metros de largura na entrada, e cerca de 36 metros  na parte inferior.

Publicidade

Pesquisadores também revelaram a descoberta de 20 espécies marinha na caverna.

Formação de buracos subaquáticos

Essas crateras são criadas na superfície da Terra, antes do mar chegar ao local. Segundo o geólogo inglês Mark Cowley, os buracos se formam quando a água da chuva ligeiramente ácida atinge as rochas calcárias.

Segundo ele, essas rochas com abundância de carbonato de cálcio, são suscetíveis a se diluírem pela água contendo dióxido de carbono. O geólogo explica que essas fendas subaquáticas se formaram no final da última Era Glacial – quando os níveis do mar eram muito mais baixos. Em resumo, o buraco mais fundo do mundo estava acima do solo quando se formou. #Natureza #Mídia #Curiosidades