O Orkut foi a primeira e maior rede social no Brasil do ano de 2004 a 2008. Nele, as pessoas participavam de fóruns, comentavam em fotos, conversavam em chats e escreviam no ‘mural’ do amigo. Além de tudo isso, ele também possibilitou às pessoas a questão de unir virtualmente quem estava em uma ponta do país com quem estava na outra. Isso criou amizades virtuais, romances, namoros à distância que, inclusive, permanecem até hoje, mesmo após mais de uma década do surgimento dessa rede social no país. O seu criador tem o mesmo nome, Orkut Büyükkökten, ele é turco e conta um pouco de sua tristeza de ver a rede social acabar, mas ele trás uma novidade.

Publicidade
Publicidade

“Todos sentimos falta do Orkut. Juntos, nos expressávamos sem julgamento, sentíamos a alegria de criar novas amizades. Em algumas instâncias, encontrávamos amor e companhia. (...)", conta o criador, em entrevista exclusiva ao portal Época.  Orkut diz que essa foi uma experiência incrível que ele viveu e viu enquanto a sua criação ‘bombava’ no Brasil, o país que, no auge do Orkut, tinha algo em torno de 30 milhões de perfis na rede social. Orkut contou na entrevista que o Brasil é um lugar em potencial para o seu novo projeto, a Hello.

“A ideia é repetir a aventura com a Hello”, diz Orkut Büyükkokten. Ele conta que deixou a sua criação em março de 2014 para se dedicar ao seu novo projeto, a Hello. “ Eu estava motivado a criar uma rede social que conectasse pessoas com paixões similares.

Publicidade

Uma rede social criada por amor, não por ‘likes’. A Hello é a evolução do Orkut.”, detonou o empresário. Ele ainda conta que a Hello será voltada a conectar pessoas que tenham as mesmas paixões, gostem das mesmas coisas e se identifiquem umas com as outras.

Quando perguntado sobre o que ele acha do Facebook, que ‘tomou’ a sua audiência principalmente no Brasil, Orkut conta que ela é de fato uma rede social que faz com que as pessoas saibam o que seus amigos estão fazendo ou sentindo há milhares de quilômetros de distância. No entanto, segundo ele, a rede peca porque permite que as pessoas continuem sendo ‘superficiais’ e não mostrem o que realmente elas são. #Curiosidades