A organização terrorista Estado Islâmico divulgou imagens brutais de um homem sendo executado por um carrasco em frente a uma multidão na cidade de Raqqa, localizada na Síria.

Nas imagens, é possível ver um homem vestindo um macacão laranja sentado em uma cadeira, prestes a ser assassinado, além de um carrasco usando roupas militares e segurando uma enorme espada, que foi usada para decapitar o prisioneiro.

Alguns meninos estavam presenciando a chocante cena, assistindo a tudo passivamente. Segundo a organização terrorista, o homem teria sido executado por ter “zombado do Islã”.

Terror no Iraque

Além de divulgar as horripilantes imagens da decapitação, o #Estado Islâmico afirmou ter sido o responsável pelo atentado ocorrido no fim de semana em Bagdá, no qual morreram 215 pessoas, e que já é considerado um dos mais graves ataques terroristas da história iraquiana.

Publicidade
Publicidade

O Iraque tem sido atingido por uma onda de violência desde junho de 2014, quando o Estado Islâmico assumiu o controle de partes de regiões ao norte e a oeste do país. O recente #Ataque terrorista aconteceu após os jihadistas terem perdido território para as forças iraquianas, o que inclui a cidade de Fallujah - fato que pode ter irritado os extremistas e contribuído para a retaliação, na forma de atentado.

O ataque aconteceu quando um carro-bomba foi detonado em uma rua lotada de pessoas no distrito de Karada, que fica ao sul da região central de Bagdá. O local é uma área popular que possui muitas lojas, e além das mortes de pessoas inocentes, provocou a destruição de vários veículos e de um edifício.

Uma das testemunhas do ataque disse ao site Mirror, do Reino Unido: "Estávamos reunidos nesta rua em Karada, e muitas pessoas estavam comprando coisas para o Eid al-Fitr [celebração muçulmana que marca o fim do jejum do Ramadã] em uma atmosfera agradável.

Publicidade

De repente uma grande explosão ocorreu e danificou quase tudo na rua. Então eu não conseguia ver nada; o céu e a terra estavam escuros".

O premiê iraquiano, Haider al-Abadi, visitou e examinou o local da explosão ainda no domingo de manhã, e mais tarde, declarou três dias de luto público. #Terrorismo