O #Estado Islâmico conseguiu matar uma cidadã brasileira. A carioca Elizabeth Cristina de Assis Ribeiro foi uma das pessoas atropeladas no atentado terrorista realizado no dia 14 de julho (quinta-feira) em Nice, na França, que deixou 84 mortos. Sua filha, de apenas seis anos e de cidadania suíça, também foi assassinada. O atentado foi realizado pelo franco-tunisiano Mohamed Lahouaiej-Bouhlel, que dirigiu um caminhão em uma área restrita da cidade durante as comemorações da queda da Bastilha. Mohamed dirigiu por cerca de dois quilômetros, atravessando uma multidão que comemorava a data. O Estado Islâmico disse, poucos dias depois do ataque, que o franco-tunisiano é um de seus "soldados".

Publicidade
Publicidade

Elizabeth é a primeira brasileira vítima fatal do Estado Islâmico. Mas outros brasileiros já foram alvos do grupo terrorista na França. Em novembro de 2015, durante o ataque à Paris, dois brasileiros foram baleados pelos atacantes. Um dos cidadãos, um arquiteto, chegou a tomar três tiros nas costas. A outra vítima foi uma mulher que tomou um tiro de raspão. Ambos sobreviveram. Eles estavam jantando no restaurante  Le Petit Cambodge quando foram atacados. O local foi atingido por aproximadamente 25 tiros. O atentado à Paris deixou cerca de 120 mortos.

O atentado terrorista desta semana em Nice também atingiu outros brasileiros, que ficaram machucados. O caminhão utilizado como arma por Mohamed Lahouaiej-Bouhlel atingiu, além de Elizabeth, o cearense Anderson Happel, de 24 anos, e Ana Lourdes Montalverne, de 63 anos.

Publicidade

Anderson sobreviveu por muito pouco. Ele foi atingido pelo parachoque do mesmo veículo que matou Elizabeth. Já Ana teve um ferimento mais grave, um traumatismo craniano, mas se recupera bem, de acordo com o G1.

Estado Islâmico de olho no Brasil

Embora os ataques aos brasileiros não tenham sido a intenção direta do grupo terrorista, o Estado Islâmico já ameaçou o Brasil e seus cidadãos em outras ocasiões. A atuação do grupo terrorista, que pode utilizar a visibilidade das Olimpíadas para realizar um ataque ao Rio de Janeiro ou a outras cidades brasileiras que receberão os jogos, é uma grande preocupação do governo federal, conforme antecipou o Blasting News neste domingo (17)

Saiba mais:

Governo brasileiro acredita que uma ataque durante os jogos olímpicos é "muito provável".

Autoridades brasileiras reconhecem que País receberá pessoas com 'histórico de terrorismo' nas Olimpíadas.

Um terrorista sírio, ex-detento de Guantánamo, está sendo procurado no Brasil. #Ataque Terrorista