Jordan Burndred, de 17 anos, estava brincando na piscina com a irmã mais nova, de 3, quando mergulhou sua cabeça na água. O desfecho não poderia ser mais trágico e o jovem inglês, que sonhava ser profissional de #Futebol, acabou morrendo, vítima de síndrome de morte súbita de adulto. Jordan estava de férias na Turquia, com a mãe, padrasto e irmã mais nova em umas férias de sonho. Mas o sonho virou pesadelo e a mãe, Nicola Everill, continua inconsolável após a sua perda. 

Férias de luxo manchadas pela tragédia súbita

Em declarações para o jornal The Sun, a mãe Nicola contou que aprendeu da pior forma tudo sobre o síndrome de morte súbita de adulto.

Publicidade
Publicidade

Essa família inglesa estava na Turquia curtindo umas férias luxuosas de dez dias. Apenas a irmã mais velha de Jordan,  com 19 anos, não esteve presente, uma vez que estava se preparando para ingressar à faculdade. 

Jordan, que era um apaixonado por futebol e sonhava fazer disso sua vida, estava brincando com Daisy, a irmã mais nova, quando a mãe o viu mergulhando a cabeça na água. Quando retornou, estava lutando com dificuldades para respirar. Depois de o retirarem da água, um médico começou fazendo manobras de reanimação. Nessa altura, Nicola acreditava que o filho poderia ter batido com a cabeça, não querendo acreditar no que estava acontecendo com o seu filho. 

Por mais de 45 minutos, os médicos tentaram a reanimação e conseguiram recuperar o pulso. No entanto, Jordan não voltaria a ficar consciente.

Publicidade

Já com pulsação batendo, o garoto foi levado para um hospital mais perto, onde ficou ligado as máquinas por dez dias, antes de morrer. As lesões cerebrais contraídas por estar tanto tempo em parada cardíaca seriam irreversíveis e os médicos nada puderam fazer para evitar essa tragédia. 

Mãe apoia associação de caridade

Após a morte de Jordan, a mãe se concentrou em ajudar os outros. Descobriu que são vários os casos como o de Jordan, de jovens que morrem vítimas de paradas cardíacas, sem sentirem sinais de aviso. Por isso, está ajudando em uma associação que trabalha com o foco nos riscos de problemas cardíacos no jovens e está fazendo uma recolha de fundos para apoiar essa causa. Graças a isso, já existem mais desfibrilhadores na sua zona de residência, podendo evitar que mais casos como esse fiquem acontecendo. 

"Ele estava em forma, bem e saudável", contou Nicola para o jornal The Sun. Apesar disso e de ter somente 17 anos, Jordan acabou vítima de parada cardíaca, sofrendo uma morte súbita, em um caso que será mais vulgar do que muitas pessoas possam pensar.  #Europa #Acidente