Um grupo de militares na Turquia anunciou, em nota oficial a um canal de TV, ter assumido o controle do país. Acessos a Istambul e Ancara estão fechados, assim como pontes interditadas, como a ponte do Bósforo e a ponte Fatih Sultão Mehmet. Vários pontos estratégicos de Istambul foram tomados. Segundo a agência Reuters, tanques abriram fogo contra o prédio do Parlamento turco. Há, também, relatos de caças da Força Aérea sobrevoando a capital.

O primeiro-ministro da Turquia, Binali Yıldırım, anunciou, há pouco, que há uma tentativa de golpe militar em curso no país, por parte de uma ala das Forças Armadas. O presidente da Turquia, Recep Tayyip Erdogan, que estava de férias durante a ação, declarou, por meio de rede social, que está seguro e que se trata de uma tentativa de golpe militar e convocou a população para ir às ruas.

Publicidade
Publicidade

A emissora estatal saiu do ar após o comunicado e as redes sociais estão com acesso restrito. Transmissões ao vivo pela internet mostram parte da população se manifestando em diversos pontos pelo país.

O país, recentemente, tornou-se um dos principais alvos de ações terroristas: só esse ano já foram 14 ataques. A Turquia é um país estratégico para o equilíbrio no #Oriente Médio. Sua história recente registra, porém, diversos golpes militares: em 1960, em 1971, em 1980 e uma intervenção militar em 1997.

Neste momento (20 h, horário de Brasília), estão ocorrendo ataques com helicópteros em Istambul. O governo informa que um de seus caças abateu um helicóptero dos revoltosos. Milhares de pessoas correram às ruas manifestando-se contrárias ao movimento militar. A agência AFP relatou a ocorrência de explosões em Ancara.

Publicidade

Segundo a imprensa internacional, as forças militares estariam divididas, havendo setores que não apoiam o movimento contrário ao governo.

O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama pediu que a população turca que apoie o governo democraticamente eleito. Os partidos no Parlamento turco também condenaram o golpe. O secretário-geral da Organização das Nações Unidas (ONU), Ban Ki-moon, fez um apelo por calma na Turquia e afirmou que as Nações Unidas estão tentando esclarecer a situação. #Manifestação