No sul do Malauí, região leste da África, é muito comum encontrarmos homens que são chamados de “hiena” - homens pagos para fazer sexo com garotas que acabaram de entrar na puberdade. E para os moradores do local isso é considerado uma prática comum e não é considerado estupro, mas sim, um ritual de “purificação”.

Essas pessoas vivem em culturas totalmente distintas das que conhecemos no Brasil, e para nós esses tipos de crenças passam a ser extremamente estranhas e abusivas. Esse ritual de “purificação” também é visto como o grande causador de doenças sexualmente transmissíveis no país, além de não parecer nada normal e considerado como violência sexual por muitos.

Publicidade
Publicidade

O site BBC divulgou uma reportagem na qual mostra como é a vida de um desses homens, Eric Aniva, que mora em um casebre muito sujo e escasso. Ele conta que há tempo ele é chamado para praticar sexo com garotas novas e também com mulheres viúvas, que só podem sepultar os seus maridos depois que praticarem sexo com um “hiena” - o mesmo ritual de “purificação” é feito com mulheres que sofrem um aborto.

Em relação às garotas, ele conta que só é permitido depois da primeira menstruação. Depois disso, as meninas são forçadas a praticar sexo com um “hiena” durante aproximadamente três dias consecutivos. Só depois desse ritual elas deixam de serem crianças e são vistas como mulheres adultas. Se acaso alguma delas se recusar, sua família e também o seu vilarejo passam a ser amaldiçoados.

Sacrifício

Ele relata que já chegou a praticar esse ritual com crianças de 12 ou 13 anos, e expressa orgulho do trabalho que faz.

Publicidade

Aniva ainda completa que as jovens falam que sentem desejo e prazer durante as relações sexuais, porém, quando algumas garotas foram questionadas sobre o assunto elas demonstraram total desprezo e nojo pelo ritual. Uma das garotas com o nome de Maria, disse que só aceitou o ritual por medo de que sua família sofresse com maldições, doenças e até morte.

Ele prefere não revelar a sua idade, mas parece ter aproximadamente 40 anos. É casado com duas mulheres que sabem e admiram a profissão do esposo. Antes de perder a conta, imaginava ter praticado o ritual com 104 mulheres e meninas, e não consegue saber quantas delas podem ter engravidado dele, mas afirma saber de apenas cinco filhos legítimos.

Sua comunidade tem dez homens hienas, e cada um diz ganhar até R$ 23,10 pelo trabalho realizado. Esse ritual é planejado por mulheres que são conhecidas como guardiãs da tradição e sua única obrigação é ensinar essas garotas a dar prazer para os homens.

As mulheres explicam que esses rituais de “purificação” são um bem necessário para os familiares dessas meninas, como também para os moradores do vilarejo, conseguindo evitar doenças e infecções.

Publicidade

Mas quando são questionadas sobre a proteção para que elas não peguem nenhuma doença sexual, elas explicam que, os escolhidos para a prática do ritual são “pessoas boas” e que apresentam um bom #Comportamento e uma ótima saúde, por isso acreditam que eles não oferecem nenhum risco.

Aniva diz que não quer esse futuro para as suas filhas e diz estar lutando para que essa prática brevemente chegue ao fim. #Curiosidades #Internet