Uma brigada da polícia mandou um carro encostar, depois de ter ultrapassado dois sinais vermelhos. Por estar dirigindo de forma tão irregular e perigosa, os dois policiais que seguiam no carro da polícia acreditavam que o condutor poderia estar embriagado. Mal eles sabiam que dentro da viatura seguia um bebê em parada cardíaca, sem respiração, e que os pais estavam apressados para chegar ao hospital. Mas foi mesmo esse o momento que acabou salvando a vida dessa bebê de duas semanas e que agora valeu uma homenagem para a policial Amanda Phipps, na Inglaterra.  

Foi o colega de Amanda, Mark Robinson, a interpelar o carro, tentando perceber o que teria acontecido para estarem dirigindo de forma tão arriscada.

Publicidade
Publicidade

Quando percebeu que uma bebê de duas semanas não estava respirando, chamou a colega. Amanda saiu do carro e pegou a bebê em seu colo. Mão de dois filhos, Phipps contou que nem se lembrava mais de como um bebê é tão pequenino com apenas duas semanas. Apesar disso, começou suas manobras de reanimação para que a bebê voltasse a respirar. Durante as tentativas de reanimação, todos eles continuavam dirigindo para o hospital. 

Quando soprou pela terceira vez, a bebê começou a reagir. "É um bom sinal", teria pensado Amanda, que tentava ainda tranquilizar a mãe da bebê. Quando chegaram ao hospital, estava tudo já pronto para receber a bebê, com a maca fora do hospital - a bebê já estava respirando. A menina acabaria por recuperar completamente desse episódio de doença súbita. 

Nessa última semana, Amanda Phipps foi homenageada pela polícia de Sussex, na Inglaterra, por ter salvado a vida dessa menina. Para a policial, ela cumpriu a sua parte e acredita que ajudou a salvar uma vida, em um dos momentos mais difíceis que viveu - especialmente a parte emocional - quando se deparou com uma criança tão pequena em seus braços e sem respiração.

Publicidade

"É o meu maior pesadelo, assistir à morte de uma criança", revelou Amanda, para o jornal "Mirror", acrescentando ter sentido um "alívio" muito grande quando tudo acabou bem.  #Europa #Casos de polícia #Saúde