Nesta semana, Rodrigo Duterte assumiu a presidência das Filipinas. Já em seu discurso inaugural do mandato, ele fez um pedido que repercutiu em todo o mundo. Rodrigo avisou que sua principal bandeira vai ser criminalizar a droga e combatê-la em todos os sentidos. Falando para cerca de 500 pessoas, no entanto, o presidente fez um discurso duro na capital Manila. A dura fala teve ameaças até a policiais, chamados de corruptos pelo político. Para terminar a sessão de polêmicas, Duterter fez um pedido especial ao povo, de que esse matasse os dependentes em drogas. A população, de forma surpreendente, mostrou que concordava com o presidente e deu gritos em seu apoio. 

No discurso, o político chamou os narcotraficantes de filhos da p* e disse que esses estavam matando as crianças do país, por isso, merecem morrer.

Publicidade
Publicidade

Em seguida, o presidente disse que não importava quem estaria a ajudar os viciados. Ele alerta que até policiais poderiam ser mortos por se corromperem com a droga. A fala do filipino repercutiu em todo o mundo em jornais como o 'The Guardian'. Aqui no Brasil, o jornal 'O Globo' também deu destaque para a polêmica argumentação de Rodrigo. "Se você conhecer algum viciado, vá em frente e mate-o, porque deixar para que os parentes dele o façam seria muito doloroso", pediu o novo líder da Filipinas.

Não é a primeira vez que Duterte faz um discurso contra as drogas, mas por conta de sua posição, surpreendeu o pedido dele de assassinatos para acabar com o vício. Para incentivar a população a realizar rais atos, o presidente disse que famílias poderiam criar funerárias. Ele comentou que nesse negócio não existe qualquer tipo de crise.

Publicidade

Segundo o gestor, caso haja uma diminuição dos mortos, ele pedirá aos policiais que matem mais bandidos."Eu garanto que você não vai falir", disse ele. 

A Filipinas é considerado um dos países mais pobres da região e possui leis polêmicas. O país enfrenta uma grave crise econômica e onda de corrupção, que também foram comentadas na posse do político.  #Investigação Criminal