Durante anos, várias propagandas da Kinder sustentavam que os seus chocolates faziam bem para as crianças, revelando sempre uma grande quantidade de leite, que fazia com que o chocolate fosse indicado para os pequenos. No entanto, um estudo recente está provando o contrário. As barrinhas de chocolate da Kinder poderiam mesmo provocar câncer e a Ferrero poderia ter que suspender a comercialização de um dos seus chocolates mais vendidos em todo o mundo. Por enquanto, especialistas em análise de alimentos estão alertando para os possíveis malefícios, e pedem para que o consumo seja travado. 

Proibido o consumo das barrinhas da Kinder

A divulgação dessa análise  caiu que nem uma bomba, e são muitas as pessoas preocupadas com o que o consumo desses chocolates já possa ter provocado.

Publicidade
Publicidade

A notícia está viralizando pela Internet e alguns usuários questionam mesmo por que razão esse chocolate era tão "recomendado" nas propagandas que passavam na televisão. 

O problema não estaria no chocolate, mas sim na embalagem. De acordo com a empresa alemã que identificou essa substância cancerígena, a Foodwatch, seriam dois os produtos da marca Ferrero a terem esses químicos na composição das suas embalagens. Segundo essa analista de alimentos, o problema estaria na presença de óleos minerais aromáticos na embalagem dos chocolates, e esses óleos são potencialmente causadores de câncer. "Não existem valores aceitáveis de óleos minerais na comida", revelou Johannes Heeg, da referida empresa alemã. Por isso mesmo, foi recomendado que o consumo fosse rapidamente parado mas apenas desses dois produtos. 

Ferrrero ignorou recomendação?

De acordo com a Foodwatch, a Ferrero teria ignorado a recomendação de parar a fabricação de dois de seus chocolates. Além das barrinhas da Kinder, também os mini nougats, da Ferrero, teriam o mesmo problema.

Publicidade

De acordo com a Foodwatch, a presença dessa substância cancerígena poderia ficar se devendo a utilização de papel reciclado para embalar os produtos. No entanto, antes de revelar essa análise, a empresa alemã revelou ter contado primeiramente para a Ferrero. Mas como a gigante de chocolates italiana ignorou a recomendação, a Foodwatch resolveu ir adiante com essa informação. 

O ovo Kinder, que seria o produto mais vendido da marca, especialmente para as crianças, pode continuar sendo comercializado, uma vez que não lhe foi detectada qualquer anomalia, nem com o chocolate, nem com sua embalagem. Também os outros chocolates da marca Ferrero estariam livres de qualquer anomalia.  #Viral #Saúde