A modelo e atriz do Paquistão Qandeel Baloch tornou-se a primeira mulher a contestar os costumes locais, com seus vídeos, que acabaram viralizando na internet em 2013. Com seus vídeos, que falavam sobre as controvérsias de seu país, ela se destacou e ganhou reconhecimento no mundo. Com 25 anos, ela chegou até mesmo a ser comparada pelos meios de comunicação com a atriz americana Kim Kardashian. Foi casada e separou-se dois anos depois, alegando que seu marido era abusivo demais. É mãe de um menino.

Qandeel tinha muitos seguidores, só no Facebook eram mais de 700 mil. A jovem relatava que vivia recebendo diversas ameaças de morte e muitos xingamentos por desafiar os costumes de seu País.  Por conta disso, a jovem colecionava centenas de inimigos, até mesmo da sua própria família.

Publicidade
Publicidade

Em uma de suas postagens feitas no Facebook, no dia 4 de julho, às 11h12, ela disse: "Eu pelo menos sei que a mídia internacional está vendo o que estou fazendo, estou tentando mudar a mentalidade ortodoxa típica de pessoas que não querem sair de suas conchas de falsas crenças e velhas práticas. Eu estou aqui para elas. Agradeço meus fiéis simpatizantes por me compreender e entender a mensagem que tento transmitir através dos meus posts e vídeos. Está na hora de fazer uma mudança porque o mundo vai mudar. Abram suas mentes e vivam no presente".

Confira no post do Facebook:

 

Seu irmão não concordava com as divulgações que ela fazia na internet, pois sua família era muito conservadora. E isso causou nele muita raiva. Segundo os relatos policiais, Qandeel foi encontrada em sua casa, que ficava em Multan, na província de Punjab, morta. A jovem foi estrangulada. O pai de Qandeel confirmou à polícia que o filho dele, Waseem, estrangulou Quandeel. Segundo o pai, a morte de sua filha foi um "#Crime de honra" cometido pelo filho. Outras investigações estão sendo realizadas e podem verificar os reais motivos por trás desse assassinato, informa a polícia. O irmão de Qandeel está foragido, sendo procurado pela polícia.

Publicidade

#Casos de polícia