De acordo com informações da Anistia Internacional dos Direitos Humanos da Síria, este assassinato ''bárbaro'' foi registrado em vídeo e publicado por rebeldes do grupo oposicionista Nuredin Zinki através de vídeos publicados em redes sociais na manhã da última terça-feira (19). Moradores de um bairro de Aleppo afirmaram que um dos membros do grupo decidiu executar o garoto acusado de repassar informações para tropas de Bashar Al-Assad. ''Como vocês podem matar alguém dessa maneira?", perguntou Basel Zein, um comerciante local de 26 anos que reside em um bairro de Al kalasseh, em Aleppo. "O garoto deveria receber um julgamento justo, também poderia ser usado como moeda de troca pelo militantes detidos, ao invés de ser submetido a este ato de barbárie", concluiu.  O imã Mohamad Badawi, que atua dentro de um mesquita em Aleppo, afirmou que esta execução foi obra de pessoas criminosas que não seguem as leis do islamismo.

Publicidade
Publicidade

Ainda de acordo com as imagens, os rebeldes acusam o menino de integrar a brigada Al Qods, um grupo da palestina que atua em favor do regime sírio. De acordo com a versão do Nuredin Zinki, eles afirmaram ter capturado o garoto durante uma batalha no norte de Aleppo. Por sua vez a brigada de Al Qods informou que o garoto não fazia parte de seu grupo, ressaltando que ele é um refugiado. 

Erro grave

 A Força Nacional de Coalizão na Síria, principal grupo oposicionista que atua fora do território sírio, demonstrou por meio de nota certa indignação com a execução e espera que os suspeitos sejam punidos severamente. A Coalizão ressalta que não aprovará jamais qualquer ato criminoso que viole os princípios da revolução na Síria. ''O povo sírio aspira por justiça, liberdade e dignidade'', diz a nota.

Publicidade

A Anistia Internacional dos Direitos Humanos na Síria ainda acusa o grupo Nuredin Zinki de praticar outros crimes de guerra, entre estes destacam-se execuções em massa, torturas de prisioneiros, além do sequestro de simpatizantes do regime Bashar Al-Assad. 

Nos Estados Unidos, o Departamento de Estado informa que já foi notificado do ''crime bárbaro''. ''Vamos investigar para saber mais a respeito do caso'', declarou o porta-voz do governo americano, Mark Toner. '' Caso sejam confirmadas estas alegações, iremos reconsiderar o nosso apoio ao grupo Nuredin Zinki'', concluiu Toner. Moradores cercados por forças de Bashar Al-Assad, em  bairros a leste de Aleppo, afirmam que o grupo rebelde está manchando a imagem de revolução na Síria. #Curiosidades #Guerra Civil #Conflito na Síria