No Oceano Pacífico, um piloto apaixonado por fotografia e aviação conseguiu capturar um dos fenômenos mais espetaculares da #Natureza. A bordo de um Boeing 737-300 e a uma altura de 37 mil pés, Santiago Borja, com o uso da sua câmera Nikon D750, fotografou uma tempestade em pleno desenvolvimento.

É uma imagem que impressiona, como o próprio piloto diz em entrevista ao The Whashigton Post: “Eu gosto muito dessa foto porque você pode sentir o maravilhoso tamanho da tempestade e seu poder".

Segundo o piloto, fotografar tempestades não é um processo fácil, uma vez que não se dispõe de todos os equipamentos necessários; como um tripé, por exemplo, que auxiliam no registro deste tipo de imagem.

Publicidade
Publicidade

Borges ainda complementa: "Desde que comecei a levar minha câmera para todos os  lugares, tentei capturar tempestades em voo, combinando as minhas duas grandes paixões: voar e fotografar".

Aprendendo um pouco mais sobre tempestades

As tempestades ocorrem quando há uma separação entre nuvens, na qual a mais alta é dotada de cargas positivas, a mais baixa por cargas negativas e, por consequência, a superfície terrestre adquire cargas positivas, criando entre ambas um campo elétrico.

Todo este processo da tempestade gera uma descarga elétrica na forma de raios e trovões. A carga elétrica produzida por um raio pode atingir 125 milhões de volts e uma temperatura em torno de 25 mil graus centígrados.

Esta descarga elétrica gerada pode causar danos graves, dependendo do local onde ela é dissipada na superfície terrestre.

Publicidade

Benjamin Franklin, físico e político americano, foi o primeiro estudioso a formular uma teoria a respeito das descargas elétricas e também o criador do primeiro para-raios com a finalidade de evitar os danos causados por este fenômeno.

O Brasil é recordista mundial em incidência de raios. São mais de 50 milhões por ano. Sendo que muitos casos são registrados em praias, o que provocado muitas mortes. De acordo com o instituto Nacional de Pesquisas Espaciais, cinco em cada 100 casos de morte ocorrem nas praias ao longo do litoral brasileiro.