Nesta quinta-feira, 14, a França foi mais uma vez alvo de um atentado terrorista. De acordo com as primeiras informações, atualizadas às 22h20 no horário de Brasília, seriam 77 mortos e mais de 100 feridos. Um motorista em alta velocidade pegou um caminhão e atropelou dezenas de pessoas na cidade de Nice, na França. Ele aproveitou o feriado da queda da Bastilha para realizar a ação criminosa. Poucas horas depois do atentado, uma nuvem de fumaça próxima à 'Torre Eiffel' assustou os moradores de Paris, a capital francesa. O incêndio ocorreu por volta das 23h45 no horário local. 

De acordo com agências internacionais, o atentado de Nice não tem qualquer relação com o incêndio próximo à Torre Eiffel.

Publicidade
Publicidade

Tudo seria apenas uma coincidência. No entanto, por conta do clima tenso no país, todo cuidado é pouco. Os bombeiros já haviam controlado o incêndio até a publicação desta reportagem. Assim como o atentado em Nice, o incêndio próximo ao maior símbolo da França ocorreu depois dos fogos do feriado da Bastilha, que comemora a Revolução Francesa. Segundo um jornal português, um dos fogos caiu sobre um caminhão que estava próximo ao monumento e esse pegou fogo.

Curiosamente, também foi um caminhão que matou dezenas de pessoas em Nice. Nele, estavam presentes armas e granadas, o que faz se supor que talvez o terrorista quisesse explodir o veículo em cima das pessoas. A polícia de Paris teria apelado para que não sejam divulgados falsos rumores, pois o incêndio foi acidental e está apagado. Quem também tem pedido cautela à população e à mídia é a Polícia Nacional.

Publicidade

A entidade solicitou que esse tipo de informação não fosse compartilhada na internet.

O atentado em Nice é o terceiro em cerca de um ano e meio na França. Ele acontece um dia depois de um jornal local avisar que o Estado Islâmico estaria planejando um ataque contra a delegação francesa de atletas. Eles estarão no mês que vem aqui no Rio de Janeiro, onde vão disputar os jogos olímpicos. O presidente em exercício, Michel Temer, prestou solidariedade através de nota ao país.  #Terrorismo