O shopping OEZ (Olympia-Einkaufszentrum), que fica em Munique, foi alvo de um tiroteio nesta sexta-feira (22). Só havia uma agressor e ele foi encontrado morto em uma rua perto do centro comercial e com sinais de suicídio. A mídia também anunciou um segundo #Ataque em um metrô da cidade.

O número de mortos chegou a dez e vários feridos. Centenas de policiais apareceram no local, que logo teve sua área interditada. No centro Olympia, próximo ao parque olímpico da cidade, também havia feridos. O metrô não parou mais na estação do shopping e os ônibus evitaram passar nas proximidades do local do tiroteio pelo resto do dia. Vários moradores de Munique ofereceram abrigo para quem estava nas ruas e não podia se locomover.

Publicidade
Publicidade

O clima era de pânico: sobreviventes relatam que ouviram vários tiros e multidões tentando se esconder. Muitos funcionários permaneceram escondidos no Shopping. Testemunhas também afirmam terem visto um homem abrindo fogo contra  um café e na estação de metrô que fica abaixo do shopping. 

Na segunda-feira, um jovem afegão de 17 anos feriu cinco pessoas com um machado em um trem na Baviera. O Estado Islâmico reivindicou o ataque.

Munique também já foi palco de um ataque durantes os jogos olímpicos de 1972: um grupo de terroristas palestinos invadiu a vila olímpica de Munique para assassinar atletas israelenses. Duas pessoas morreram e nove foram feitas de reféns, que só seriam libertos com a soltura de 200 árabes presos em Israel, sob a ameaça de executar dois reféns a cada hora que se passasse.

Publicidade

O centro comercial amanheceu, neste sábado (23), repleto de flores e velas deixadas pelos moradores, como forma de  homenagear as vítimas. A cidade tenta voltar à normalidade, apesar de policiais ainda estarem rondando o local.

A polícia já descartou a hipótese do ataque ter algum vínculo com grupos terroristas. Os vizinhos do atirador de 18 anos relataram para o canal "N-TV" que ele era um jovem tranquilo, de poucos amigos e que trabalhava como entregador de jornais. Na hora do ataque, o rapaz teria gritado que passou a vida sofrendo bullying. Ele também já teria feito boletins de ocorrência por conta disso. #Crime #Casos de polícia