Não tá fácil para ninguém. Um homem estava se achando muito esperto e teve uma ideia mirabolante para ganhar uns trocados. De acordo com o jornal 'O Globo' em matéria publicada nesta sexta-feira, 1º de julho, ele fingia que não tinha as pernas. Para isso, o cidadão todos os dias dobrava os membros inferiores e ia para as ruas da China, onde aconteceu o episódio, para pedir esmola. Com o auxílio de uma espécie de skate, ele viajava pelo Centro da cidade. Muita gente, é claro, acabava se comovendo com a situação e dava uma ajuda. 

O homem dizia que passava fome e que não tinha condições de trabalhar por ter uma deficiência muito rara, não conseguindo sequer ficar sentado com facilidade.

Publicidade
Publicidade

No entanto, um cidadão estranhou que a parte inferior do pedinte se mexia involuntariamente. Revoltado, segundo informações de sites locais, ele perguntou qual era o problema de saúde do mendigo. O morador de rua então informou que nasceu com uma anomalia que retirou parte das suas pernas. O cidadão então teria pedido para ver o problema, dizendo que se ele mostrasse o ajudaria com uma boa quantidade de dinheiro. 

O pedinte, no entanto, começou a ficar ríspido e disse que não era obrigado a mostrar nada. Ele então acabou sendo desmascarado por um pedestre que havia desconfiado do pedinte. O chinês passou uma tremenda vergonha em plena praça pública e agora virou objeto de piadas na mídia chinesa. Na cultura oriental, pedir esmolas não é muito bem visto, até mesmo entre pessoas necessidades.

Publicidade

Uma pessoa vendo a revolta do transeunte gravou um vídeo. Ele mostra o momento em que o homem arrancou a calça do "mendigo" e foi revelado o mistério por trás da "deficiência" do espertalhão, que só queria ganhar um dinheiro a mais: as pernas estavam dobras e presas na cueca.

Veja abaixo o momento em que o cidadão revoltado, sabendo que o mendigo inventava um problema de saúde, decidiu agir e revelou para o mundo a tremenda mentira contada pelo 'infrator' que usava a bondade das pessoas para conseguir dinheiro. 

#Crime #Investigação Criminal