O mundo está realmente um caos. Um dia depois da França ser alvo de um atentado terrorista na cidade de Nice, que matou mais de 80 pessoas, foi a vez da Turquia ser o assunto principal do noticiário. Nesta sexta-feira, 15, os militares anunciaram que tomaram o poder. As informações são extremamente desencontradas. O que sabe até agora de certeza são vídeos e entrevistas com pessoas que estão na região. O presidente Tayyip Erdoğan, que teoricamente foi deposto, solicitou em entrevista dada por celular à uma emissora de televisão, que o povo vá às ruas. Protestos estão sendo feitas nas mais inúmeras cidades. Algumas estão sem luz. As redes sociais foram cortadas. 

Os militares confirmam que tomaram o poder e usam a mídia estatal para solicitar que ninguém saia de casa.

Publicidade
Publicidade

Um brasileira que vive na região deu uma entrevista ao vivo pela internet à Globo News. Nela, ela informou que os mercados estão completamente vazios e que ela foi tentar comprar água, mas não tinha mais nada. Ela lembrou que teve um atentado terrorista no aeroporto do país recentemente, mas que ataques como aquele eram pontuais. A situação agora, segundo ela, era de dar mais medo, já que não se tem a menor ideia de quando vai acabar. Ela relatou que muitas pessoas sacaram dinheiro nos caixas eletrônicos e que não tinha mais nada.  

A emissora estatal informou que será criado uma espécie de Conselho de Paz para analisar como serão dados os próximos passos. Tantas notícias surpreendentes aparecem há três semanas dos jogos olímpicos do Rio de Janeiro, que terão início com o mundo extremamente conturbado, como poucas vezes se viu.

Publicidade

Em entrevista à CNN, o presidente da Turquia disse que foi vítima de um golpe de estado e que esse teria sido por forças paralelas. 

Os militares, no entanto, explicaram que o presidente turco seriam um traidor e que teriam provas que ele tentou arquitetar contra o próprio país. Essas provas seriam dadas nas próximas dias. 

Veja abaixo o vídeo que mostra populares tentando subir em tanques de guerra:

#Governo