A polícia britânica confirmou que vai terminar as buscas por #Maddie McCann, a menina inglesa que está desaparecida desde maio de 2007. A criança tinha três anos quando desapareceu na praia da Luz, no Algarve, enquanto a sua família passava uns dias de férias em Portugal.

Depois de vários anos de investigação conjunta entre Portugal e Inglaterra, foi o primeiro-ministro britânico David Cameron que ordenou a Operação Grange, para procurar pela menina, em 2011. Mas, cinco anos depois, e mais de doze milhões de libras gastos, a investigação vai terminar. 

Investigação cara e sem resultados

Foram anos de buscas e investigação de pistas e suspeitos, sem que nada levasse até o rastro de Maddie McCann.

Publicidade
Publicidade

No entanto, no ano em que a Inglaterra votou pela saída da União Europeia e que David Cameron saiu do governo inglês, a investigação também termina. 

De acordo com fonte policial para o jornal The Sun, as últimas pistas, que resultaram de uma análise forense, não deram em nada. E não existiria mais o que procurar, terminando dessa forma, com muito dinheiro gasto e sem resultados, uma das investigações mais caras de todos os tempos no Reino Unido. A última investigação estariam relacionada com algum cabelo que teria sido encontrada na casa de onde a menina sumiu, no Algarve. 

Casal McCann pode continuar investigação

Maddie McCann desapareceu em maio de 2007, quando estava sozinha com os irmãos mais novos, na casa de férias. Enquanto as crianças dormiam, os pais Gerry e Kate McCann estariam jantando fora com uns amigos.

Publicidade

Algumas acusações de negligência e outras ainda mais graves, de que os pais poderiam até estar envolvidos no desaparecimento da criança, nomeadamente da parte de alguma polícia portuguesa, foram escutadas durante esses anos.

Os pais nunca teriam parado de procurar, mesmo por conta própria, o que já prometeram continuar fazendo, até porque existe um fundo de dinheiro com várias contribuições que poderá ainda ser usado.

Isso apesar de os pais terem perdido em tribunal uma disputa com o ex-delegado Gonçalo Amaral, de quem os McCann esperavam receber perto de meio milhão de euros por alegadas declarações falsas.  #Europa #Casos de polícia