O Comitê Investigativo da Rússia – equiparável ao FBI americano – anunciou hoje que levará o caso envolvendo a aposentada Tamara Samsonova, de 68 anos de idade, à corte de justiça. Em 2015, a idosa, que ficou conhecida como "vovó estripadora", envenenou a comida de sua amiga Valentina Ulanova, de 79 anos, esmagando 50 comprimidos para dormir e colocando-os em sua salada, o que acabou matando-a em uma overdose.

Depois, Samsonova desmembrou o corpo de Ulanova com um serrote, separando-o em sacos, cortou sua cabeça e cozinhou-a em uma panela, antes de jogar tudo no lixo, nos arredores de um bloco de apartamentos de São Petersburgo.

Publicidade
Publicidade

Um circuito interno de câmeras registrou imagens dos momentos em que a "vovó estripadora" faz repetidas entradas e saídas de seu apartamento, levando consigo os sacos contendo as partes do corpo e a panela com a cabeça decepada.

A mulher acabou sendo presa depois que cães locais farejaram os restos mortais dos membros de Ulanova.

Suspeita de assassinatos em série

O Comitê de Investigação também divulgou hoje que a assassina sofre de "esquizofrenia paranoide". A doença foi atestada em um novo diagnóstico oficial feito no hospital da prisão psiquiátrica localizada em Kazan, para onde Samsonova foi enviada no início deste ano. A mulher, que confessou às autoridades ter matado Ulanova, é suspeita de outros 10 assassinatos, incluindo alguns inquilinos, seu marido e sua sogra, que desapareceram sem deixar rastros.

Publicidade

Autoridades encontraram um diário escrito em inglês, russo e alemão, onde Samsonova confessa ter cometido outros homicídios dos quais é suspeita. A polícia não descarta novas acusações, mas admite problemas em provar os outros assassinatos, uma vez que existem dificuldades na localização dos restos mortais das vítimas.

No diário, é possível, por exemplo, ler o seguinte trecho escrito pela suspeita: "Eu matei o meu inquilino Volodia, cortei-o em pedaços no banheiro com uma faca, coloquei os pedaços de seu corpo em sacos plásticos e os joguei fora em diferentes partes do distrito de Frunzensky".

A investigação sobre os crimes permanece em aberto, e um juiz de São Petersburgo vai decidir o destino de Samsonova em uma audiência, ainda sem data marcada. Entretanto, é provável que a aposentada seja encaminhada para um hospital psiquiátrico, ao invés de cumprir pena em uma cadeia.

Assista aos momentos em que Samsonova carrega as partes do corpo de Ulanova:

#Crime #Investigação Criminal #Casos de polícia