Mohammad Karim, um líder religioso da cidade de Ghor, no #Afeganistão, foi preso após se casar com uma criança de seis anos de idade. Segundo o clérigo, a menina foi fruto de uma ‘oferta religiosa’ e que os pais da criança estavam cientes e plenamente de acordo com o matrimônio.

Em entrevista à Rádio Free Europe, Karim afirma que a menina foi dada pelos próprios pais. Ele ainda diz que os genitores da menor orientaram que ele a levasse para onde quisesse e que se casou para poder ‘educá-la’. A cerimônia teria sido realizada durante o Ramadã para cerca de 30 a 40 convidados.

A versão dos pais da criança

Já os pais da menina de seis anos contam uma versão diferente, dizendo que a filha foi sequestrada e que estão em choque ao saber que o clérigo se casou com ela.

Publicidade
Publicidade

Quando o comandante adjunto da polícia da cidade de Ghor contatou os pais da criança, eles disseram que não compareceram ao #Casamento, conforme Mohammad afirma, e destacaram que a criança foi sequestrada da província de Herat ocidental.

A situação da criança

Quando os pais foram buscar a menina em um abrigo para mulheres localizado em Ghor, depararam-se com uma criança em choque. Ela não conversa ou reage, apenas repete que ‘Tem medo daquele homem’. Exames divulgados após o resgate da menor, que teve seu nome preservado, afirmam que ela ‘não sofreu’ nenhum dano ‘físico ou psicológico’.

Mohammad foi preso, pois a lei do Afeganistão determina que a idade mínima para casamento no país é de dezesseis anos para mulheres e dezoito para homens. As famílias podem autorizar o casamento para jovens entre quinze e dezesseis anos incompletos, mas qualquer união com menores de quinze anos é considerada crime.

Publicidade

A polícia vai investigar as duas versões, pois embora Mohammad tenha cometido um crime inegável e a menina só saiba dizer que sente medo de seu ‘ex-marido’, há relatórios, como o da UNICEF, que afirmam que meninas são tratadas como um fardo econômico para as famílias pobres da região, de forma que muitos pais querem que elas se casem logo para conferir menos gastos. As investigações devem analisar se a criança de fato foi sequestrada ou cedida para o clérigo. #Abuso infantil