Sem o grande respaldo da mídia mundial, os cientistas da #Nasa seguem à procura de #Planetas habitáveis além da Terra. Atualmente, a Agência Espacial Americana conta o apoio do avançado telescópio Kepler, o melhor equipamento à disposição dos cientistas até o momento. Ao longo da pesquisa, os pesquisadores da Nasa conseguiram catalogar 4 mil planetas todos próximos as constelações de Cygnus e Draco. Sendo que mais de 200 planetas possam abrigar alguma espécie de vida inteligente. Após analisar o resumo dos fatos, uma equipe de pesquisadores comandada pelo astrônomo Stephen Kane, da Universidade de San Francisco, chegou a conclusão de que média 20 desses planetas são muitos semelhantes a Terra.

Publicidade
Publicidade

Para os pesquisadores, é considerada zona habitável de uma estrela, a região na qual um planeta orbita, possibilitando condições para a existência de vida e, para isso, a presença de água sobre sua superfície é considerado fator fundamental. Ainda, de acordo com os pesquisadores, um planeta só é classificado como habitável, quando está dentro de uma zona intermediária, ou seja nem muito perto, nem muito longe do Sol. Como exemplo os cientistas citam Vênus e Marte. O primeiro está muito próximo ao Sol, por isso, é considerado quente demais o qual esta descartado como planeta habitável. Em compensação Marte, encontra-se muito distante do Sol e, por se tratar de um planeta muito frio, também está descartado. A Terra, que está localizada entre os dois, por sua vez, é considerado um planeta habitável por apresentar perfeitas condições para abrigar vida com água em abundância sobre a superfície.

Publicidade

Também vale ressaltar que os pesquisadores ainda buscam condições climáticas semelhantes e substâncias químicas iguais as que existem na Terra, como oxigênio, nitrogênio e gás carbônico. Para tal estudo, os pesquisadores acabaram dividindo os mundos em categorias e subcategorias. Por exemplo um exoplaneta o qual apresenta seu diâmetro menor que o dobro do diâmetro terrestre é classificado como planeta semelhante a Terra. Caso o exoplaneta apresente um diâmetro maior a este limite é classificado como planeta gigante.

Além do mais, as categorias podem ser divididas em duas categorias. A primeira é referente ao fato do planeta estar dentro de uma região considerada habitável  dentro de posição mais otimista e onde a existência de água em fase líquida sobre a superfície é mais evidente. De acordo com Kane o catálogo recentemente elaborado é o mais completo da atualidade.

Ainda, de acordo com Kane, uma lista contendo todos os planetas catalogados está disponibilizada no site arXiv. Em breve, a lista também estará disponível na revista Astrophysical Journal. Dos 50 exoplanetas considerados habitáveis, 30 estão incluídos dentro de uma região considerada otimista.

Publicidade

Os outros 20 estão incluídos dentro de uma região considerada conservadora, ou seja podem conter água em fase líquida sobre a superfície. Sendo assim, há grande expectativa para que estes planetas possam ser habitáveis e possam fornecer recursos naturais semelhantes aos da Terra. #Curiosidades