As cenas aconteceram essa semana em Idaho, nos Estados Unidos. No vídeo publicado no Facebook por uma das mulheres envolvidas no caso, elas aparecem fumando maconha ao lado de uma criança que aparenta ter, no máximo, cinco anos. Nas imagens que parecem ter sido gravadas na sala de uma casa, o menino é mostrado ao lado de adultos até que um homem passa e acende um cigarro perto dele. Logo depois, uma mulher sopra fumaça em direção ao rostinho da criança, e se aproxima dele na tentativa de fazê-lo inalar a fumaça. Em uma resposta quase involuntária, a criança vira o rosto para que o conteúdo não entre em sua boca. A outra mulher que aparece no vídeo ainda faz uma piada, perguntando à criança se ela não queria ficar ‘doidona’.

Publicidade
Publicidade

Disse ainda, ‘eu sei que você quer!’ e que não adiantava o menino rejeitar inalar a fumaça do cigarro de maconha. Os moradores da localidade estão chocados com o acontecido, e disseram que é um absurdo que uma criança passe por essas situações de abuso. As mulheres parecem ter cerca de 40 anos e têm um aspecto descuidado, aparentando serem usuárias de drogas.

A polícia local de Fort Hall investiga o caso e já anunciou a prisão das duas mulheres envolvidas, inclusive pretendem saber o grau de parentesco das mesmas em relação à criança. Será analisado também se o menino passava por outras situações de abuso dentro da casa e há quanto tempo vinha sendo submetido a essas condições. Dependendo do desfecho do caso, é esperado que a criança seja retirada do local e levada até um abrigo.

Publicidade

Não foram liberadas muitas informações sobre o caso, mas, segundo o delegado que investiga o acontecimento, as duas mulheres serão punidas por colocarem o menino em uma situação degradante e de risco. Os outros dois homens envolvidos que também aparecem nas imagens tiveram suas prisões decretadas pela Justiça e são procurados pela polícia. Será determinado também quem era o fornecedor da droga, se as pessoas filmadas estão envolvidas com o tráfico local e se consumiam outras drogas perto da criança. #Crime #Investigação Criminal