Mãe e filho podem ser condenados a 18 meses de prisão nos Estados Unidos, se forem considerados culpados por um relacionamento incestuoso, que teve início no ano passado.

Monica Mares, de 36 anos de idade, e mãe de nove filhos, deu o bebê Caleb Peterson para adoção quando ela tinha apenas 16 anos. A dupla voltou a se encontrar pelo Facebook, e no Natal de 2015, Peterson, então com 18 anos, foi morar com a sua mãe e seus dois irmãos mais novos, Uriah e Joseph.

De início, o relacionamento afetivo entre os dois era comum, mas após algumas semanas de convívio, a relação passou a ser sexual.  A polícia descobriu o caso amoroso após uma ligação telefônica envolvendo uma discussão entre a dupla e seus vizinhos, que relataram às autoridades sobre a situação na qual mãe e filho se encontravam.

Publicidade
Publicidade

O casal foi acusado de incesto e mantido sob custódia, mas foi liberado após pagar uma fiança de US$ 5mil. Agora, ambos aguardam julgamento, que está marcado para acontecer em setembro.

Luta na justiça

Mãe e filho afirmam que estão "loucamente apaixonados" um pelo outro, e se comprometeram a lutar publicamente para manter o relacionamento. Atualmente, eles vivem separados na cidade de Clovis, no Novo México, e estão proibidos pela justiça americana de manter qualquer contato.

O casal relata que pretende, com a exposição do seu caso, aumentar a consciência da população a respeito dos relacionamentos envolvendo a chamada Atração Sexual Genética (Genetic Sexual Attraction, ou GSA, em inglês), que é definida como a atração sexual entre parentes próximos, tais como irmãos ou meio-irmãos, pais e filhos, primos de primeiro e segundo graus, entre outros, que se encontram pela primeira vez quando já são adultos.

Publicidade

Mares diz que Peterson é a melhor coisa que lhe aconteceu nos últimos 19 anos, e que pretende estar com ele para o resto de sua vida. Ela entende que corre o risco de perder seus filhos mais novos por causa do relacionamento, mas comenta que estaria até mesmo disposta a desistir do direito de cuidar das crianças para continuar o seu romance, e que o caso amoroso não terminará por causa de nenhuma prisão ou tribunal.

O casal está sendo amparado por Cristina Shy, administradora de um site que dá apoio e defende casais que são parentes próximos. No entanto, incesto é considerado crime em todos os Estados Unidos, embora a leis e as punições para esse tipo de relacionamento variem de estado para estado. #Comportamento #EUA