Uma câmera de segurança flagrou uma mãe espancando e esganando o próprio filho. Caso aconteceu na Índia, na cidade de Bareli. No início da filmagem, é possível ver a mãe aparentemente brincando com a criança, mas alguns minutos depois, a mãe começa a bater na nela e a pendura-lá pelo pescoço. O pai, que suspeitava que a esposa batia no filho, resolveu instalar câmeras pela casa para poder tirar a dúvida. "Eu sempre achei que ela batia na criança, mas não imaginava que era com essa violência toda", explicou o pai.

A mãe já foi identificada pela polícia e vai prestar depoimento sobre o caso, podendo perder a guarda do filho no decorrer do processo.

Publicidade
Publicidade

As imagens abaixo podem ser consideradas fortes; veja:

ASSISTA AO VÍDEO:

O pai da criança entregou as imagens para imprensa, e disse que iria dar parte da mulher. A polícia já identificou o autor das filmagens para formalizar a queixa contra a mulher. Na Índia, a repercussão pelo caso foi grande. Nas redes sociais, várias pessoas se solidarizaram sobre o ocorrido. "A própria mãe fazendo isso com seu filho, absurdo!", disse uma das internautas revoltadas com o caso.

Cenas como essa são comuns de serem encontradas na internet, principalmente quando se trata de uma babá, ou de uma cuidadora de idosos, que costumam violentar pessoas que não podem se defender.

Publicidade

Mas este caso chamou mais atenção por se tratar da própria mãe violentando o filho.

Não se sabe o motivo da mãe ter feito isso com o filho, tudo indica que a mulher tinha raiva da criança, e que os espancamentos eram constantes. Se for considerada culpada, ela pode ser condenada à prisão e ainda perder a guarda da criança, que ficaria com o pai.

No Brasil, se for constatado que uma criança sofreu abuso de violência doméstica, o acusado(a) poderá pegar uma pena que varia entre 3 meses a 3 anos de prisão. Mesmo que não haja parentesco com a vítima, como é o caso de padrasto ou madrasta, a pena para ambos é a mesma.

Segundo informações passadas à imprensa, a criança passa bem e já está em casa. #ViolenciaDomestica #Justiça