Uma mulher identificada como Juanita Gomez, de 50 anos, foi presa em flagrante após assassinar a filha Geneva Gomes, de 33 anos. O caso teria ocorrido no ultimo sábado (27), na cidade de Oklahoma, nos Estados Unidos. De acordo com informações do jornal News OK, a mulher teria cortado o pescoço da filha, forçando-o contra crucifixo e mais um medalhão. Em depoimento à polícia, ela afirmou que espíritos malignos haviam se manifestado em sua filha. Na tentativa de ajudá-la a se livrar dos espíritos, acabou atingindo sua veia aorta com o crucifixo. A vítima acabou morrendo no local devido à hemorragia.

Os policiais que atenderam a ocorrência disseram que, ao entrar na residência de Geneva, a mulher estava deitada no chão, com um crucifixo em cima do peito.

Publicidade
Publicidade

Além dos ferimentos no pescoço, ela também apresentava ferimentos no rosto e na cabeça. A vitima ainda teria sido limpa, logo após ser assassinada. Na ocasião, a mãe da jovem acabou se entregando à polícia, onde foi levada para Departamento de Polícia e autuada em flagrante.

Ainda, de acordo com informações, mãe e filha tinham uma clínica de Massoterapia. Pessoas próximas as duas contaram que elas mantinham um bom relacionamento e sempre estavam muito próximas uma da outra. O namorado de Geneva disse que não entende o motivo do assassinato e contou ainda que, além das massagens, mãe e filha faziam cabelos e unhas das clientes sempre trabalhando juntas. Em nota, os vizinhos lamentaram o incidente e descreveram Geneva como uma boa pessoa. Já Juanita, segue presa sem direito à fiança, e cumprirá pena por homicídio.

Publicidade

Mulher é presa acusada de matar filho de seis semanas

A norte-americana identificada como, Jameisha Alexander de 24 anos, foi acusada de assassinar o próprio filho, um recém-nascido com pouco mais de seis semanas de idade. Na ocasião o bebê teria sido lançado dentro de um lago artificial no interior de um shopping. O caso foi registrado no dia (16),em Myrtle Beach, na Califórnia. Segundo informações do jornal New York Daily News, uma testemunha contou à polícia que teria notificado os seguranças do shopping após observar a mulher segurando de forma estranha a criança perto do lago.

Após comparecer no local, um dos seguranças teria encontrado o corpo do bebê atirado de bruços dentro da água. Uma ambulância foi chamada para ao local, mas, apesar das diversas tentativas de reanimação, a criança não resistiu ao afogamento e acabou morrendo no local do incidente. Com medo de ser presa em flagrante, Jameisha, acabou fugindo do local, mas acabou sendo presa a cerca de 28 km do local após bater o carro que dirigia.

Publicidade

Durante uma audiência realizada no último dia (19), a ré teria chorado perante o juiz, onde afirmou estar arrependida pelo #Crime. Em depoimento, seus familiares afirmaram que Jameisha estaria sofrendo de depressão pós-parto e, por causa disso, estaria sobrecarregada de ter que cuidar do filho primogênito. Em depoimento, o pai da jovem, contou que ela teria afirmado que não conseguiria cuidar do filho sozinha, uma vez que o pai da criança é considerado um homem violento e, por conta disso, se negou a assumir o filho. Após a audiência, Jameisha cumpre pena na penitenciária de Conway, sem direito à fiança. Ela deverá responder por homicídio triplamente qualificado. #Curiosidades #Casos de polícia