Descoberto em 1999, o asteroide batizado 101955 Bennu, com tamanho estimado em 500 metros de diâmetro, poderá colidir contra a Terra em pouco mais de um século, revelam astrônomos norte-americanos. Segundo eles, a rocha espacial que cruza a órbita do nosso planeta a cada seis anos fará sua maior aproximação em 2135.

De acordo com informações do jornal inglês Daily Mirror, edição de 1 de agosto, estudiosos acentuam a perspectiva de naquela data o asteroide sofrer influência da gravidade terrestre, tendo sua órbita alterada. Nesse cenário, a chance de impacto aumentaria, conforme avalia o professor de ciência planetária na Universidade do Arizona, Dante Lauretta.

Publicidade
Publicidade

A possibilidade do Bennu cair no nosso mundo, segundo o docente, é de uma em 2175 e 2196.

O cientista ressalta o fato do Bennu passar entre a Terra e a Lua. Para ele, essa proximidade será suficiente para ajustar a órbita do corpo celeste, colocando-o em rota de colisão com o nosso ‘pequeno ponto azul’. “Pode ser destinado a causar grande sofrimento e morte”, observa Lauretta.

Caso o astro atinja a Terra, o impacto será parecido ao de milhões de toneladas de explosivos ao mesmo tempo, superior às duas bombas atômicas jogadas em Hiroshima e Nagasaki, em 1945. Ele circunda o Sol a 63 mil milhas por hora.

NASA enviará sonda ao asteroide

Preocupada com a possibilidade do asteroide atingir o nosso planeta, a Agência Espacial Americana (NASA) enviará uma nave à superfície do Bennu, com objetivo de estudar o corpo rochoso.

Publicidade

Chamada de OSIRIS-Rex, a sonda será lançada do Cabo Canaveral, na Flórida (EUA), em 8 setembro deste ano. Contudo, ela está programada para aterrar no astro em 2018. Ao chegar no destino final, passará um ano coletando amostras de rochas.

Porém, seu retorno à Terra ocorrerá somente em 2023. Caso a NASA obtenha êxito na missão, essa será a primeira vez que uma sonda consegue pousar num asteroide e voltar ao nosso planeta.

A próxima vez que o Bennu chegará perto de nós será em 2018. Embora nesse ano não haja chance real de colisão – apenas 0,0005% -, são raros os registros de corpos celestes capazes de chegar tão perto da Terra.  #Universo #Mídia #Curiosidades