O abalo foi registrado na madrugada desta quarta-feira (24), e atingiu as cidades ao entorno de Perugia. As principais localidades afetadas formam Amatrice, com trinta e cinco mortos; Accumoli, com onze; e Ascoli Piceno, com dezessete, até agora. Muitas pessoas ainda estão sob os escombros e o governo italiano ainda não sabe precisar quantas ainda estão desaparecidas. O terremoto foi registrado pelo Serviço Geológico dos EUA com uma magnitude de cerca de 6,5. As autoridades informam que as pequenas cidades atingidas estão totalmente destruídas e vários pontos históricos podem ter sido danificados. Segundo o prefeito de Amatrice, que tem cerca de dois mil habitantes, metade da cidade foi destruída e pessoas ainda se encontram sob as casas que foram abaixo.

Publicidade
Publicidade

O tremor foi sentido nas proximidades do local por cerca de 20 segundos, inclusive em Roma e no Vaticano, o abalo teria ocorrido a cerca de 10km da superfície, por volta de 4h da manhã.  Logo após o abalo principal, outros de menor intensidade foram sentidos em Perugia. Ao todo foram cerca de 40 tremores registrados na região essa madrugada.

O primeiro ministro Matteo Renzi disse que o governo já está em estado de alerta e monitora a situação de calamidade. Várias brigadas de ajuda já se direcionaram para o local, na tentativa de minimizar maiores danos. A cidade de Amatrice, que fica na província de Rieti, por exemplo, está sem energia e isolada devido à queda de uma ponte na região. As equipes de resgate encontram dificuldades de acesso, pois os desabamentos graves destruíram grandes edifícios na região, a maioria da ajuda está chegando através de helicópteros.

Publicidade

A prioridade agora é liberar as ruas para que sejam criados pontos de apoio, a fim de receber possíveis sobreviventes. A defesa civil da cidade e o coordenador da Cruz Vermelha, Giussepe Pignoli, disseram que não estão medindo esforços para prestar socorro, mas que, no entanto, o trabalho está muito difícil nas localidades. O tremor aconteceu quase na mesma região daquele registrado em 2009, que deixou cerca de 300 mortos na cidade de Áquila.

O governo brasileiro soltou uma nota em apoio às famílias das vítimas e disse estar dando todo o suporte para os brasileiros que vivem na região italiana. #Tragédia