Embora os vampiros sejam interpretados pelo imaginário coletivo como seres imortais, agraciados com superpoderes, os sugadores de sangue da vida real podem ser menos interessantes do que os arquétipos estabelecidos pela cultura de massa.

Diferente dos personagens descritos nos contos de Anne Rice, baseados nas desventuras do vampiro Lestat, o ser das ‘trevas’ reportado nesta matéria não é imortal nem tem superpoderes. Contudo, ele afirma ser um vampiro, segundo o jornal inglês Daily Mirror, desta terça-feira (9).

O rapaz, de 25 anos, morador de Oswaldtwistle, cidade situada no condado de Lancashire (Inglaterra), que mudou o nome para Darkness Vlad Tepes – o nome real ele não diz - bebe sangue de vacas e porcos.

Publicidade
Publicidade

Ele também dorme em um caixão personalizado feito sob medida. Porém, reclama sobre o preconceito das outras pessoas. Elas não aceitam seu estilo pouco convencional.

Ao Mirror, Darkness confidencia que há 13 anos tem levado uma vida vampiresca, regada a muito sangue animal. Apesar de não compartilhar a imortalidade, ele tem a vantagem de não ser afetado pelo alho, e também pode desfrutar da luz do Sol.

Contudo, o maior desejo do inglês não é viver para sempre, mas ter a sua individualidade respeitada. "Eu poderia ser um vampiro, mas eu só quero ser tratado como todos os outros", desabafa o jovem com o rosto carregado de maquiagem.

Devido à aparência incomum, o inglês revela ter dificuldade para se divertir sem ser importunado. Ele recorda que ao frequentar um pub com os amigos, foi hostilizado no interior do local.

Publicidade

De acordo com o ‘vampiro’, um rapaz perguntou se ele havia sofrido abusos sexuais na infância. “Todo mundo tem suas crenças e eu não acredito que eu deveria ser perseguido por ter a minha”, declara.

Vlad comenta que esse tipo de discriminação pode incentivar atitudes violentas contra ele. Darkness teme ter o mesmo fim da jovem Sophie Lancaster, 20 anos, assassinada em 2007 por ser gótica.

A transformação

O inglês salienta que a vontade de virar ‘vampiro’ começou aos 13 anos, quando residia na Irlanda. Naquela época, encontrou várias meninas vestidas de forma "esquisita". Ele confessa que no início se assustou com as garotas. Pensava que elas fossem zumbis. "Corri para casa, porque eu estava com medo no início, mas depois fiquei muito curioso”, fala.

Alguns dias depois, Darkness encontrou as garotas e acabou sendo iniciado no clã vampírico. Ele destaca que para ser aceito como ‘chupador de sangue’ é necessário acreditar que o corpo está vivo, mas a alma está morta.

Além de usar somente vacas e porcos como fonte de sangue, o vampiro, ciente da sua mortalidade, mantém uma alimentação equilibrada.

Publicidade

Comidas gordurosas, por exemplo, não fazem parte da sua dieta.

Vlad argumenta não haver necessidade real para dormir no caixão. Todavia, acentua se sentir confortável relaxando neles. "O caixão é puramente uma opção de escolha para ser um vampiro, é uma que eu faço porque me sinto bem", comenta.

Mesmo que vampiros não existam, o preconceito contra o jovem é real. Ele não deseja que os indivíduos acreditem em sua filosofia de vida. Darkness almeja apenas o básico de toda conduta humana: respeito. #Mídia #Curiosidades