Uma mulher colombiana viveu momentos traumatizantes ao ser sequestrada e estuprada. Hoje ela tenta se recuperar do trauma vivido e foi preciso até mesmo deixar sua casa, pois corria risco de ser assassinada. Desde que a FARC - Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia - começou a lutar contra o Estado na década de 60, milhões de pessoas tiveram que se mudar e mais de 200 mil já foram assassinadas. Essa colombiana conseguiu sobreviver, mas sua vida nunca mais foi a mesma.

Ela atuava como líder de um grupo feminino conhecido na época como "AfroMuPaz". A missão dela era acolher as famílias que precisam deixar suas casas por causa do conflito na Colômbia.

Publicidade
Publicidade

Também denunciava o recrutamento de crianças para atuarem como soldados e começou ainda a denunciar os grupos de guerrilheiros que estavam estuprando não só as mulheres, mas também meninas.

O grupo AfroMuPaz era um dos poucos que tinham coragem de denunciar os estupros e a colombiana que era tão atuante, acabou caindo em uma emboscada, e, 2010, e foi sequestrada. Levaram-na para a selva, onde o grupo guerrilheiro acampado. Para piorar ainda mais a sua situação, a mulher descobriu que sua filha de apenas 13 anos também tinha sido sequestrada. A colombiana foi amarrada e durante cinco dias ela foi estuprada por vários homens, diversas vezes. Por denunciar os crimes de #Estupro contra as mulheres de seu país, a colombiana quase morreu.

Após não aguentar mais tanta #Violência, ela desmaiou e quando acordou estava internada em um hospital.

Publicidade

Sua filha não foi violentada, mas avisou à sua mãe que se ela continuasse fazendo as denúncias, os homens voltariam e aí seria pior.

Hoje ela mora em Bogotá, capital da Colômbia e usa um colete à prova de balas. Também é obrigada a andar de táxi, já que o transporte público pode ser perigoso para ela. Em menos de um mês, cerca de 13 pessoas que atuavam na defesa dos direitos humanos foram assassinadas.

Camila, a filha da mulher que tanto sofreu por defender as colombianas, hoje estuda Direito e pretende entrar para a política no intuito de ajudar seu país e as pessoas de bem que lá habitam. #Crime