O site New York Post revelou, nesta segunda-feira (26), que Rita Wolfensohn, uma mulher cega residente do Brooklyn, nos Estados Unidos, passou os últimos 20 anos de sua vida se perguntando o que teria acontecido com seu filho, sem saber que, durante todo este tempo, ele estava morto no andar de cima de sua casa.

A história beira o absurdo, uma vez que um corpo em decomposição exalaria um odor forte. No entanto, Wolfensohn é uma acumuladora compulsiva, o que faz com que o ar de sua casa esteja sempre apresentando um odor forte e desagradável. Assim, a mulher não teria percebido cheiro do cadáver de seu filho.

A descoberta

De acordo com o New York Post, o corpo que seria de Louis Wolfensohn (que atualmente estaria com 49 anos de idade) foi descoberto no dia 15 de setembro, quando parentes foram até à casa de Rita para buscar alguns pertences dela e levá-la a um hospital.

Publicidade
Publicidade

A cunhada da mulher cega, Josette Buchman, foi até um quarto do segundo andar da casa onde Rita vive, e em meio a vários detritos, descobriu um esqueleto completo, vestindo calças jeans, camisa e meias, deitado em um colchão fino posicionado no chão.

Conforme as informações publicadas no site americano, a polícia de Nova York acredita que, de fato, Rita Wolfensohn pode ter vivido por 20 anos na residência sem saber que o corpo de seu filho estava ali. No local, segundo os investigadores do caso, havia teias de aranha e muito lixo ao redor do esqueleto, e o quarto, ao invés de cheirar carne podre, exalava um forte odor de comida em decomposição.

Ainda de acordo com o New York Post, o marido de Wolfensohn, Jesse, morreu em 1987, e quando questionada pela polícia sobre o sumiço de seu filho, a mulher teria declarado que acreditava que Louis teria simplesmente se mudado sem avisá-la.

Publicidade

Joseph Buchman, irmão da mulher acumuladora, afirmou que não é muito próximo de Rita, e disse ainda que não faria comentários até acontecer o funeral do cadáver.

A polícia ainda não identificou o corpo oficialmente, mas acredita que o esqueleto realmente pertence a Louis, que teria morrido de causas naturais. #EUA #Investigação Criminal