Um vídeo está circulando na internet e tem causado comoção onde é visto. Nele uma funcionária de um pet shop no estado de Virgínia, Estados Unidos, foi pega maltratando um cachorro enquanto dava o banho no animal.

As imagens foram gravadas em maio deste ano, mas só agora foram divulgadas. Os flagrantes foram feitos por uma antiga empregada do estabelecimento comercial.

As cenas consideradas chocantes mostram a mulher usando força e violência contra o animal que não tem como se defender.

O nome da profissional é Mironda Henning. A funcionária já foi demitida. As autoridades policiais locais informaram que ela foi presa em julho, foi julgada e pagou multa de mil dólares.

Publicidade
Publicidade

Contra ela pesam outras denúncias de crueldade contra animais.

Segundo o relatório policial produzido à época, a funcionária empurrou e girou um cão branco, da raça cockapoo, chamado Gidget, enquanto o secava.  Aparentemente, ela o puxa pela pelagem, de forma brusca.

O vídeo só veio à tona agora, quatro meses após o ocorrido, porque foi cedido ao canal de TV WTKR. Depois disso, caiu nas redes sociais.

Protetores dos animais e pessoas que gostam de espécies domésticas, estão bastante revoltados com o que viram. Boa parte dos internautas que discutem o assunto acham que a sentença dada foi muito branda.

Por causa das cenas, ativistas da causa animal fizeram uma manifestação na última terça-feira. Eles protestaram debaixo de chuva para pressionar por punições mais severas para pessoas que forem flagradas agredindo animais domésticos. 

A organizadora do protesto, Barbara Morris, disse à imprensa norte-americana que, depois de assistir o vídeo, teve a convicção de que a punição de Henning não foi suficiente para desmotivar outras pessoas a continuarem a maltratar cães e gatos.

Publicidade

Eles também pediram o fechamento do pet shop onde a funcionária trabalhava.

Várias pessoas se juntaram à ativista, inclusive uma mulher que já teve problemas no mesmo local. Seu cão teria ficado traumatizado depois de tomar banho no estabelecimento.

#Crime #Casos de polícia