Conforme comunicado da Administração Oceânica e Atmosférica Nacional (NOOA, sigla em inglês) sediada nos Estados Unidos, a Terra será impactada por uma intensa erupção solar entre quarta-feira (28) e sexta-feira (30).

Segundo o periódico britânico Express, edição de quarta-feira (28), devido aos elevados níveis de radiação vindo à nossa direção, existe a possibilidade de equipamentos eletrônicos e satélites serem afetados pelo fenômeno. A chance de interrupção de sinais de rádio e TV via satélite também não é descartada.

Embora a atmosfera terrestre nos proteja dos nocivos efeitos da radiação cósmica, a NOOA salienta que os raios solares - em grande volume - são capazes de aquecer a atmosfera exterior, o que pode danificar os satélites em órbita em decorrência da expansão da atmosfera.

Publicidade
Publicidade

Como resultado, a navegação por GPS, sinal de telefone celular e televisão por satélite, poderão ficar inacessíveis. Como se não fosse suficiente perder o sinal da TV por assinatura, há a probabilidade de um cenário ainda mais catastrófico.

De acordo com o jornalista à frente da informação, Sean Martin, um episódio mais incomum envolvendo erupção solar pode resultar em regiões totalmente sem eletricidade.

Ele explica que as correntes mais elevadas da magnetosfera (campo magnético da Terra) podem sobrecarregar as linhas de energia, danificando transformadores elétricos e estações de energia. Contudo, Martin argumenta que esse cenário ocorre em maior frequência nas áreas mais elevadas.

Na concepção do cientista Mauro Messerotti, do Instituto Nacional de Astrofísica (INAF), que pertence a Universidade de Trieste (Itália), o buraco observado no Sol corresponde a 30% o tamanho da estrela.

Publicidade

Ele alerta sobre os efeitos da erupção solar serem sentidos no nosso planeta por vários dias. "Pode ​​persistir por mais de um mês, porque esses buracos, por vezes, duram por mais do que uma rotação completa do sol, que tem a duração de 28 dias”, comenta.

Pesquisadores não noticiaram os lugares onde a radiação será mais intensa. No entanto, se o sinal da TV falhar, você já sabe motivo.

A erupção mais forte já registrada

A tempestade solar mais destrutiva que se tem notícia aconteceu em 1859. Na ocasião, entre os dias 1 e 2 de setembro, auroras polares foram observadas em todos os continentes da Terra, do hemisfério Norte até o Caribe.

O intenso brilho fez com que habitantes da região nordeste dos Estados Unidos conseguissem ler jornal à noite, apenas com a luz emanada pela gigantesca aurora boreal - visível desde os polos até em regiões onde esse tipo de evento não acontece, como Cuba e Havaí.

Em decorrência do belo e assustador evento cósmico, telégrafos em toda a Europa e América do Norte colapsaram.

Publicidade

Inclusive, houve registro de telegrafistas eletrocutados devido a volumosa descarga elétrica oriunda da erupção solar.

Astrônomos estimam em 12% a possibilidade de uma erupção semelhante a de 1859 ocorrer entre os anos de 2012 a 2022.

Se isso acontecer, a nossa frágil sociedade dependente de energia elétrica deixará de existir. #Mídia #Curiosidades #Internet