Um homem de 65 anos vai ser julgado pelo tribunal de Peterborough, na Inglaterra, depois de ter deixado seus três ##Cães fechados dentro de um carro. Em um dia de calor, os cães, da raça staffordshire bull terrier, foram deixados por mais de cinco horas dentro do carro a uma temperatura que poderia ter chegado aos 40 graus. Enquanto isso, o dono, Jonathan Theobald, estava no ginásio. Os cães foram "lentamente cozinhados vivos". Essa foi a conclusão, e o dono poderá mesmo ser responsabilizado pela morte dos animais de estimação. 

Quando regressou ao carro, dois deles já estavam mortos. Ele ainda fez de tudo para evitar a morte do terceiro, no entanto, já não seria possível, e também esse acabou morrendo, desidratado pela elevada temperatura. 

Durante o inquérito, uma associação de caridade para os ##Animais tentou alertar os proprietários de animais para estas situações, avisando que não foi só o calor que matou a Daisy, o Mitch e o Rascal. Por vezes, as pessoas pensam que até nem está muito calor, se esquecendo que dentro do carro as temperaturas sobem bem mais.

Publicidade
Publicidade

Nesse dia, estava uns 19 graus na rua, mas, dentro do carro de Jonathan, as temperaturas poderiam ter passado dos 40. 

De acordo com a autópsia, os animais teriam morrido por exposição ao calor, mas a associação de caridade fala que, para lá do calor, os animais passaram por condições "mais emocionais do que físicas", tendo ficado "apavorados" e "presos" dentro desse carro, sem água nem ventilação por mais de cinco horas, o que teria levado a sua morte.

O alerta fica também dado para todos os donos de cães que acreditam que os animais preferem ficar dentro do carro do que sozinhos em casa, e que apenas vão demorar uns cinco minutos. A associação lembra que "nenhum dono deixa os cães para morrer dentro de um carro de propósito", mas que por vezes acabam demorando mais tempo do que estão esperando, e estas tragédias continuam acontecendo. 

Na defesa de Jonathan Theobald, o seu advogado falou que o acusado é um homem de "carácter excepcional" e que teria assumido toda sua culpa por esse incidente.

Publicidade

Perante as autoridades, Jonathan disse "eu sou o culpado, cometi um erro terrível". 

O julgamento vai acontecer no dia 28 de setembro. 

E o leitor, o que pensa desse caso? É culpado o dono? Merece ser condenado? Deixe sua opinião! #Justiça