Que cada país e lugar tem suas tradições, fé e religião, não há o que questionar, mas saber da #Morte de uma pessoa idosa, quando tanto se prega o respeito e cuidado aos mesmos, principalmente no Brasil, que possui até um estatuto para os mais velhos, sempre causa revolta e comoção. Essa revolta aumenta mais ainda quando essa morte é praticada de forma muito violenta e cruel. 

Um caso de uma mulher idosa, de 73 anos de idade, que foi assassinada de forma cruel, ganhou as mídias nessa semana: ela foi queimada viva em uma comunidade indígena localizada no #Peru e a justificativa para esse crime bárbaro, seria a prática de #Bruxaria.

Publicidade
Publicidade

Segundo a procuradoria do Peru, através de informações repassadas nesta terça-feira (27), o crime contra a idosa, foi praticado em uma vila de difícil acesso, onde não existe linha telefônica e que fica a 10 horas de viagem do povoado mais perto. Por esse motivo, policiais do país só tiveram conhecimento do crime dias após o ocorrido, que teria acontecido no dia 20 de setembro.

Antes de ser executada pela população indígena do local, a senhora chegou a passar por um  julgamento, em um tribunal popular, que era composto por 40 moradores da vila. A principal acusação era que a senhora estava jogando 'pragas' de doenças em seus vizinhos. A ocorrência do assassinato foi até registrado em uma publicação do povoado.

Segundo informações do portal de notícias El Nuevo Dia, um morador da vila registrou as imagens do assassinato da mulher em vídeo, usando um celular.

Publicidade

As imagens foram analisadas pelos agentes policiais e mostram como tudo aconteceu. A mulher, ainda viva, teve suas mãos amarradas e em seguida ela foi colocada em cima de um monte de galhos, a seguir, os habitantes da vila jogaram gasolina e a incendiaram usando um fósforo. 

Ao chegarem ao vilarejo, os agentes policiais encontraram os restos mortais da idosa no mesmo lugar em que foi cometido o crime. As autoridades do Peru acreditam que mesmo após a morte da mulher, seu corpo continuou sendo queimado pelas chamas durante 3 dias seguidos.